Mostrando postagens com marcador Não-Ficção. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Não-Ficção. Mostrar todas as postagens

Resenha: Longe de Casa

setembro 14, 2020

Eu não escondo de ninguém que admiro muito a Malala e quero ler tudo que ela publica, então claro que quando vi esse livro lá na época de seu lançamento fiquei ansiosa para tê-lo em mãos. O que eu não esperava era a tamanha tristeza que sentiria com essa leitura.

Em Longe de Casa temos histórias reais de meninas que são refugiadas. Elas saíram de países do Oriente Médio e Africa (somente um caso é da América do Sul) fugindo de uma guerra, milicia, ou parentes abusivos. São histórias tão tristes, mas ao mesmo tempo nos inspiram a ser melhores.

Eu não esperava uma personagem que se separa da irmã e fica sem vê-la por anos, uma personagem que se sente culpada por ter tido melhores oportunidades do que a irmã, que quase morreu para fugir de seu país. Eu nunca poderia nem pensar em me preparar para uma menina que viu a mãe ser morta a tiros na sua frente por pessoas de religiões extremistas, e claro que nem imagino a falta que essa mãe faz na vida dos filhos.

São histórias chocantes e que me fizeram refletir a respeito da minha realidade. Vivemos em um país que está dividido entre lado politico, mas que apesar dessa tensão ainda tem paz na maior parte dele. Eu posso sair na rua sem medo de um grupo extremista religioso atacar as pessoas, posso sair de casa e trabalhar e estudar, e enfim, tantas coisas que essas meninas não tiveram por muito tempo de suas vidas e coisas que eu nunca nem pensei em dar valor. Pode parecer até absurdo quando pensamos na realidade atual do Brasil, mas ainda assim aqui temos a liberdade que esses lugar nunca sonharam em ter.

É horrível parar e pensar que o que aconteceu com elas está acontecendo com outras pessoas nesse exato momento e o restante do mundo não se importa, e que mesmo as pessoas que param para refletir sobre isso (como eu agora) vão continuar vivendo suas vidas normalmente. É uma realidade que ficam alheia a nós, mas que nem por isso deixam de existir.

Apesar do assunto ser triste a leitura é tranquila. Então ela pode ser indicada para qualquer idade em que a leitora se interesse por esse assunto.


Título: Longe de Casa — Minha jornada e histórias de refugiadas pelo mundo (We Are Displaced: My Journey e Stories from Refugee Girls Around the World) • Autora: Malala Yousafzai
Editora: Seguinte • Tradução: Lígia Azevedo

Compre aqui

Resenha: Do que Estamos Falando Quando Falamos de Estupro

junho 10, 2020

Sohaila Abdulali  é a primeira mulher indiana que em meados dos anos 80 foi estuprada por quatro homens desconhecidos na frente de seu melhor amigo e teve coragem de falar sobre isso. Como bem exemplifica a autora uma semana após ela ter sido estuprada leu uma história no jornal sobre uma mulher que também foi vitima de estupro coletivo, enquanto estava passeando com o marido, e no dia seguinte ao voltar para a casa se matou para não desonrar a sua família e o próprio nome. Situações como essas são bem comuns em países do oriente, entretanto Sohaila tem o que a maioria das mulheres não tem: uma família que a apoia sem julgamentos. Pode parecer estranho, por se tratar de uma família religiosa e conservadora, mas apesar disso eles sabem que a culpa não é da vítima pelo abuso sofrido.
Na Índia, o estupro em comunidades fechadas é, na realidade, uma das justificativas para o casamento de crianças. É melhor que a garota vá morar com os pais e parentes do noivo enquanto ainda é virgem, e que seja legalmente estuprada, do que um tio ou vizinho chegar primeiro.

Por mais que Sohaila tenha uma história para contar ela não passa o livro focando em si mesma, pois existem tantas nuances e diferenças de estupros, abusos e vitimas que poderiam ser escritos vários e vários livros para abordar cada um dos temas. Um ponto especifico que eu poucas vezes havia parado para refletir é a respeito dos homens que são estuprados e em como isso afeta sua vida. Há neste livro um homem especifico que levou anos para superar seu abuso e enfim construir sua vida e uma afamilia de forma saudável e uma tragédia acabou levando a filha dele, de apenas 9 anos. Este homem, apesar de sofrer tanto pela sua perda ainda explica que o abuso foi muito pior, pois ele não tinha ninguém para consola-lo, ele não tinha ninguém para dividir essa tristeza. Claro que em nenhum momento ele disse que não sofre pela morte de sua filha, mas que neste caso a dor é dividida com sua esposa, parentes e amigos, é uma rede de apoio com essa tragédia e nós sabemos que muitas vitimas de estupro nunca contam a ninguém que foram estupradas, entende?

A autora pode, para alguns, criar uma pequena polemica ao falar sobre a humanidade dos estupradores, mas ao argumentar conosco ela é muito especifica sobre o que quer dizer e, mais uma vez, é um ponto de vista que eu nunca tinha refletido. Nós temos costume de enxergar esses homens como monstros, mas o que eles são é nada mais do que seres humanos que tem uma escolha a ser feita: estuprar ou não estuprar. E eles escolhem a primeira alternativa, isso não faz deles monstros, mas fazem deles pessoas más que precisam ser julgadas como tal. Presumir que eles são monstros é tirar a responsabilidade deles como seres humanos ao tomar uma decisão. Seu embasamento se da, principalmente, com o relatos do caso Thordis e Tom (resumindo Thordis foi estuprada por Tom quando tinha 16 anos e 9 anos depois eles passaram a se corresponder por e-mail onde ele admitiu o que fez com ela e contou sobre o quanto isso o assombra; eles escreveram um livro juntos).

Esse é um livro importante para o contexto social e mesmo que ali não tenha nenhuma história de uma brasileira ainda assim devemos considerar todos os casos próximos a nós, já que no Brasil a cada 11 minutos há uma denuncia de estupro e nós temos aqui nossa própria cultura de estupro, além de atualmente um governo que claramente não respeita das mulheres e suas decisões. É um livro muito necessário para exemplificar todas as formas de estupro e abusos, e todas as formas que os estupradores e abusadores são visto na sociedade. As únicas que, raramente, são vistas com ambiguidade são as vitimas, não importa em qual situação.

📚
Título: Do que Estamos Falando Quando Falamos de Estupro (What We Talk About When We Talk About Rape)
Autora: Sohaila Abdulali • Editora: Vestígio • Tradução: Luis Reyes Gil

Resenha: Eu Sei Por Que o Pássaro Canta na Gaiola

maio 27, 2020
Autora Maya Angelou


Não conhecia Maya Angelou até ver a capa deste livro e me apaixonar muito por ela. Achava que era uma obra de ficção e tive uma baita surpresa quando li a sinopse e descobri que é a autobiografia de uma atriz, poetisa, além de ter sido a primeira mulher negra a roteirizar e dirigir um filme em Hollywood, além de ser amiga de Martin Luther King e Malcolm X era também ativista, dançarina, jornalista e professora. E para acabar ela recitou um de seus poemas na posse do presidente Bill Clinton lá em 1993. Claro que tem outras coisas, mas acho que já deu para entender que a mulher é foda, né? Apesar de ser tudo isso e muito mais o livro não faz falar sobre isso e sim sobre infância. Cada capítulo vai contar de algo e eu já aviso que é bom você estar preparada para sorrir e chorar, logo de  uma página para outra. Sua vida foi extremamente difícil, ainda mais sendo de um país tão racista nos século passado (como se ainda não fosse).

Maya morava com a avó, seu irmão mais velho e seu tio em uma casa com um mercadinho na frente. O negócio era da sua avó e era bastante próspero naquela vila, tanto é que quando veio a crise de 29 a avó de Maya era quem ajudava as pessoas a não passarem fome. Mas mal recebia um agradecimento, já que a maioria das pessoas que ela ajudavam eram brancos que a tratavam como lixo por sua cor de pele. Apesar dessas coisas Maya era uma criança feliz, mesmo com saudades da mãe e do pai. Havia um sentimento de abandono muito grande em relação a eles e sua avó não era tão carinhosa assim, apesar de cuidar muito bem dos netos. Seu relacionamento com o irmão era maravilhoso e apesar de tomarem umas surras, às vezes, eles se divertiam aprontando.

Essa alegria não durou muito tempo. A mãe de Maya resolveu que era hora de cuidar dos filhos e os levou embora. Sua família era um pouco mais bem de vida do que a família do pai e pela primeira vez ela teve o conhecimento do que era luxo. Maya odiava morar com sua mãe, a cidade nova, as pessoas que as rondam e quando teve uma figura masculina que ela poderia considerar como paterna ele a estupra. Maya tinha apenas 8 anos quando isso aconteceu e seu medo já era maior que qualquer coisa. Ela não contou para sua mãe com medo de ser apontada como a culpada pelo que houve, mas ela descobriu de qualquer maneira e tomou uma atitude. Depois disso Maya ficou sem falar por anos. Nem uma única palavra saia da boca da mulher que recitaria seu próprio poema na posse de um presidente.

Eu sei que até esse ponto eu jé contei muito da história do livro mas gente, como não? Olha o que essa mulher passou e olha o quem ela se tornou. A história dela é tão triste pelas coisas ruins e tão inspiradoras pois ele nunca desistiu de nada, nem de si mesma quando passou a entender a vida. A Maya tinha tudo para ser só mais uma mulher, só mais uma mulher negra nesse mundo racista, mas ele fez muito mais. Ela foi atrás de tudo o que queria, tanto é que com 15 anos ela se tornou a primeira pessoa negra a trabalhar em um daqueles bondinhos que tinha na época. Você consegue imaginar no contexto histórico disso? Me apaixonei muito por ela, além de amar sua forma de escrever. Ela deixa uma biografia ser legal e às vezes até parece um pouco de ficção.

📚

Título: Eu sei Por Que o Pássaro Canta na Gaiola (I Know Why the Caged Bird Sings)
Autora: Maya Angelou • Editora: Astral Cultural • Tradução: Regina Winarski
COMPRE AQUI

Resenha: Quem tem Medo do Feminismo Negro?

maio 25, 2020
Djamila Ribeiro Livros

Acho que a Djamila foi super legal com esse título. Na realidade ele deveria ser "Porquê brancos tem medo do feminismo negro?" e eu falo isso não somente pelos textos que tem neste livro, mas por minha experiencia com clientes na livraria onde trabalho (onde uma mulher branca, classe média alta, pediu livros sobre feminismo e quando eu mostrei esse ela fez cara de desdém), além do fato de ouvir um "Porquê tem que ser negro?". Infelizmente vivemos em um mundo até onde pessoas inteligentes são burras.

God me free de pagar de super sabidona aqui. É justamente por isso que eu leio livros: para aprender cada vez mais e é claro que é por isso que eu quis ler esta obra. Já seguia e conhecia um pouco do trabalho da Djamila nas redes sociais e amo a força que ela tem, a forma como ela inspira outras pessoas e principalmente mulheres negras. Eu sei que meu lugar como pessoa branca não é lutar contra o racismo como se ele fosse parte da minha rotina e sim dar respeito e a visibilidade que essas pessoas merecem. Então sim eu li esse livro para entender um contexto social que não faz parte de mim, mas que envolve a sociedade em que eu vivo; Eu li esse livro para poder militar quando alguém me perguntar os motivos de um mulher negra merecer uma atenção especial no feminismo; e nesse ponto do texto vocês já entenderam o recado.

"Quem tem medo do Feminismo Negro?" reúne artigos que Djamila escreveu, em sua maioria, para o jornal Carta Capital e no inicio ela faz um pequeno apanhado da sua vida. Eu ainda não conhecia a história dela e fiquei curiosa por mais. Tem tantas coisas que essa mulher passou para poder chegar onde está que nós nem temos noção de como foi um caminho difícil. Os artigos todos falam sobre racismo e principalmente sobre mulheres negras. Antes desta obra eu tinha um visão muito limitada a respeito do feminismo negro (não era tão ignorante quanto as pessoas citadas acima, mas não entendia muito a respeito dele) e agora consigo refletir um pouco mais sobre o meu papel na sociedade como mulher branca e o quanto mulheres como eu, por mais feministas que se dizia, ajudaram o racismo a se propagar diminuindo outras apenas pela cor de sua pele. É um livro de história, é um livro que joga coisas na nossa cara sem medo (e que esta certíssima em fazer isso). Mais do que tudo é um livro para te tirar da zona de conforto e não apenas durante a leitura, mas também no dia a dia.

Um livro que trás fatos a respeito da mulher negra sendo sempre vista como a empregada, ou quando convém a sociedade, sendo vista como a musa do carnaval; Trás fatos a respeito da meritocracia, que não funciona nunca em uma sociedade de classe baixa. Um livro que irá te explicar que piada a respeito da cor da pele do amiguinho branco não mata cerca de 75% das vitimas de homicido no Brasil, irá te explicar o motivo que piadas na escola acabam com a auto estima de dezenas, milhares, de meninas que tem o cabelo crespo e entram em uma luta para ser padrão em uma sociedade onde só é bonito ter o cabelo liso. Enfim, eu fiquei muito satisfeita com essa leitura e com o que ela me proporcionou.

📚
Título: Quem tem Medo do feminismo Negro? • Autora: Djamila Ribeiro • Editora: Cia das Letras
COMPRE AQUI

Resenha: Profissões para mulheres e outros artigos feministas

janeiro 06, 2020

Estamos em 2020 e ainda existem debates sobre profissões para mulheres, mercado de trabalho em geral e, claro, igualdade de salário entre os gêneros. Imagina esses debates no inicio do século XX? Pois bem, é isso mesmo que temos nesses artigos de Virginia Woolf. Esta foi a minha primeira experiencia com a autora e já amei muito a forma como ela se expressa: tão sutil, tão honesta e ainda assim com uma certa raiva dentro de si por viver em um mundo injusto para as mulheres.

De cara levamos a uma reflexão sobre o que é uma profissão para mulher. Eu digo isso pois pensando na sociedade da época em que os artigos foram escritos, de fato, quais eram as profissões femininas? Mal existia a profissão "secretária" ou "professora" que foi muito popular após os anos 50. Então a autora explica algo óbvio: o porque de as mulheres terem tido um certo sucesso como autoras ao invés de outras profissões. E sendo bem feminista falando isso a culpa é do patriarcado. Virginia explica que a única coisa que as mulheres tinham em mãos, pelo menos as que eram alfabetizadas, era papel e caneta. Um material barato que os homens não se importariam de gastar com mulheres.

O livro em si são resenhas literárias de livros escritos por homens que, de algum jeito ou de outro, falam mal sobre as mulheres e suas rotinas. Há um artigo sobre um autor/livro que acha que pode escrever melhor sobre a rotina de uma mulher do que a própria mulher e Virginia logo critica dizendo que não há maneira de isso ser possível, até porque as autoras mais famosas de épocas anteriores a ela fizeram sucesso escrevendo sobre a rotina feminina em suas obras pois era aquilo que elas viviam em sociedade. Isso me fez pensar sobre como em muitos romances de época (os de verdade) e até filmes que podem ou não ter sido adaptados mostram mulheres em rotinas tediosas em uma salinha de costura, sabe? Como poderia uma mulher escrever sobre o mundo sendo que ela mal poderia sair de sua própria casa?

Em outro texto há passagens incríveis sobre a impossibilidade da mulher ser algo mais quando não é lhes dada a oportunidade. Nem tudo nesse mundo é meritocracia e como uma mulher poderia colocar em pratica sua inteligencia se não tinha o direito de estudar da mesma forma que seus irmãos? O mais incrível para mim nesses momentos é ela refutando a ideia de que não existiam mulheres brilhantes na época e/ou mulheres que não fez nada notável/digno de atenção falando exatamente que não há como saber se não existiam simplesmente porque essas mulheres podem ter perdido a oportunidade de ser notável por causa de um casamento, pela impossibilidade de estudar.

Me pergunto muito como Virginia Woolf se sentiria vivendo em 2020. Sobre o que ela falaria a respeito desse assunto nos dias atuais? Eu tenho certeza que ela me obrigaria a refletir sobre algo que eu não pensei ainda, mas será que ela teria um pouco de orgulho do que conquistamos? Gosto de acreditar que sim, já que agora tem muitas mulheres notáveis em basicamente todos os ramos profissionais conhecidos e essa realidade está mudando mais e mais.

📚
Título: Profissões para mulheres e outros artigos feministas • Autora: Virginia Woolf
Editora: L&PM Pocket • Tradução: Denise Bottmann
Para comprar esse livro e ajudar o blog clique aqui


 
Copyright © @kzmirobooks. Designed by OddThemes