Resenha: Os Tais Caquinhos — Desafio 5 livros nacionais em 5 dias

 

E aí, galera, como vocês estão no desafio da semana? Eu posso dizer que estou indo bem e adorando as leituras até agora. Os Tais Caquinhos foi o segundo livro que li e, até agora, o que mais adorei. O romance de formação da autora Natércia Pontes vai falar sobre Abigail e sua família, que vivem no apartamento 402 em um bairro de uma cidade não nomeada.

Essa família disfuncional tem um grande problema: O patriarca, Lúcio, é um acumulador com zero preparo para criar duas adolescentes. Abandonando recentemente pela esposa, madrasta das meninas, seu quadro só tende a piorar. De inicio eu tive a impressão de que a família era muito pobre, com a casa cheia de tralhas e acumulando bichos e mais bichos, principalmente baratas, eu só conseguia imaginar aquelas famílias do programa Acumuladores que mal vê a luz do sol entrar de casa e possui geladeira e armários cheio de comidas estragadas, entretanto isso não passa de uma pequena omissão da autora, talvez, para fazer com que o leitor perceba que certos problemas não escolhe classe social. A família é de classe média, talvez baixa, que possuem recursos para viver em um local limpo e bem cuidado, mas que o problema do responsável impossibilita isso. No meio de tudo isso a narradora, Abigail, conta sua adolescência em meio a fome ao desejo de viver bem.

Filha, não jogue minhas coisas fora. Eu imploro. Nelas eu guardo a minha vida inteira.

O livro não tem uma narrativa como estamos acostumados, assim como o título a história é contada em forma de "caquinhos", pedaços e fragmentos de uma adolescência com abuso de álcool, cigarro, abuso sexual e agressão. Em meio as confusões e palavras quase desconexas há diários, cartinhas, listas, poemas para completar tudo o que ela gostaria de dizer. Eu gostei muito dessa forma, apesar de eu até ter criticado um livro recentemente que tinha uma narrativa semelhante, pois aqui a autora conseguiu encaixar tudo de uma forma que o leitor consegue entender a história. Não basta colocar uma narrativa diferente na história se nem todos os leitores vão conseguir entender ou absorver algo e esse era meu medo ao começar a leitura e perceber isso, mas fiquei muito feliz em ver que tudo foi tão encaixadinho e muito bem abordado que mesmo sendo em caquinhos eu consegui ver tudo, sabe?

Abigail nunca entendeu muito bem os problemas de sua família, mas ama seu pai a ponto de todas as noites ir conferir se ele ainda está respirando, ama a sua irmã o suficiente para sentir falta quando ela some para a casa de uma amiga e mal dá noticias por semanas, mas parece que não se ama o suficiente para cuidar de si. Em certo momento há até uma reflexão sobre isso e após uma tragédia ela passa a mudar aos poucos e também entende que não depende somente dela. Sendo jovem no inicio dos anos 90, para mim foi muito fácil imagina-la como os adolescentes de filmes dessa época, em que se perdia para tentar tapar o buraco que a vida imperfeita deixava, se apaixonando facilmente por qualquer um e aceitando aquele amor que ela acha que merece. Com certeza é uma personagem que eu vou ter um carinho, pois o tempo todo me vi torcendo por ela e tentando aconselha-la.

Hoje acordei tarde e não senti felicidade pela vida.

Acho importante avisar que o livro tem muitas descrições sobre a situação da família e principalmente da casa. Então ao ler esse livro esteja preparada para cenas com baratas e ideias desses bichos nojentos andando pela sua cara durante o sono. Acho que algumas pessoas tem estomago fraco para isso e eu mesmo odiando baratas com todas as minhas forças procurei nem pensar nisso, mas essas descrições são necessárias para compor toda a ideia do livro e após alguma tempo a gente acaba se acostumando. Os Tais Caquinhos é um livro incrível com uma "trilha sonora" maravilhosa, uma delas sendo o álbum "Angel Dust" do Faith no More, uma banda que eu adoro e que eu vou até deixar aqui para vocês ouvirem enquanto fazem outras coisas. 

 

 📚

Título: Os Tais Caquinhos • Autora: Natércia Pontes • Editora: Companhia das Letras

COMPRE O LIVRO AQUI | ASSINE A NEWSLETTER DO BLOG

CONVERSATION

4 Comments:

  1. Oi Silviane sua linda, tudo bem?
    Eu também tenho horror a baratas, já pensou elas andando em você enquanto dorme??? Estou até arrepiada. Nunca iria conseguir dormir. Que situação horrível a deles. Será que elas não tinham a quem pedir ajuda? Fiquei com o coração apertado por saber o que elas viveram. Não sei se conseguiria ler essas descrições, mas tirando isso parece ser um bom livro. Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Silviane!
    Menina, vi muita gente falando desse livro e estou muito curiosa.
    Apesar disso, é a primeira resenha que leio e gostei muito.
    É uma história bem diferente. Acho que nunca li algo com personagem acumulador.
    Que bom que gostou e apesar da narrativa "confusa" tudo fazer sentido.

    Dica anotada!

    Beijoooos

    Teca Machado
    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Silviane.

    Estou com muita vontade de ler este livro, vi ele no desafio da Companhia das Letras, mas eu desejava ler pelo menos uma opinião a respeito da história. Gostei muito de saber mais sobre os temas abordados no enredo e já estou com mais dois livros do desafio e com certeza quero ler este também. Adorei!

    Bjos
    https://consumidoradehistorias.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Olá,
    Acho que de todos os cinco livros do desafio este é o que menos me interessou (li outros três). Não gosto muita da coisa 'picadinha' tanto é que pelo nome do livro deu a entender que a história era assim. Gostei da sua resenha, mesmo o livro não sendo para mim no momento.

    ResponderExcluir

Gostou do post? Deixe seu comentário aqui para conversamos.