Conheça a Obra: A origem dos outros


Este é um livro que li na maciota na livraria onde trabalho, cada dia lendo um texto diferente e tentando entender e refletir sobre eles. O post não entrará na categoria resenha pois acho que Conheça a Obra combina mais com a proposta dele, que é justamente uma reflexão. Eu, como pessoa branca, e ainda com conhecimento limitado quando o assunto é a luta negra, me surpreendi com diversos pontos textos e principalmente sobre pontos históricos e cultural que a autora cita.

O subtitulo do livro é seis ensaios sobre racismo e literatura e este não poderia ser uma melhor descrição. Nos ensaios Toni analisa algumas obras clássicas, assim como alguns autores, para exemplificar como o racismo funciona e como a literatura tem influencia nesse aspecto, tanto para o bem quanto para o mal. Há uma passagem falando sobre A Cabana do Pai Tomás que me deixou muito interessada em ler a obra clássica, que foi um livro extremamente importante para a luta abolicionista nos EUA.
Na minha opinião, por mais impressionante, temente e repulsivos que sejam esses incidentes de violência, a questão que surge, bem mais reveladora do que a severidade da punição, é quem são essas pessoas? Como elas se esforçam para definir o escravizado como desumano e selvagem, quando na verdade a definição de desumano descreve em grande parte quem pune. Quando precisam descansar exaustas entre duas sessões de chibatadas, a punição é mais sádica do que corretiva.
Se uma surra demorada cansa quem açoita, e a pessoa precisa de uma série de pausas para poder prosseguir, de que serve a duração para o açoitado? Essa dor extrema parece destinada ao prazer de quem segura a chibata.

Todos os ensaios são curtos, na verdade o livro é bem pequeno e vem com edição capa dura. O ensaio onde a autora falando sobre a romantização da escravidão é de revirar o estomago, assim como fetiche da cor. Ambos os textos vem bater na nossa cara sobre como vemos os negros em sociedade e como eles realmente são tratados perante delas. Imagine, em um exemplo bem simples, a respeito da mulher negra que é vista como sensual, boa de cama, mas que não é considerada o tipo de mulher que um homem (branco) se casaria, simplesmente porque ela só serve para sexo; Não diferente de como as escravas eram tratadas pelos donos das fazendas que estupravam mulheres negras diariamente. Há uma passagem no livro onde Toni faz citação do diário de um dono de fazenda que anotava quando estuprava as suas escravas simplesmente como uma transação comercial, sem nenhuma importância.
Como uma pessoa se torna racista, ou sexista? Já que ninguém nasce racista, e tampouco existe qualquer predisposição fetal ao sexismo, aprende-se a Outremização não por meio do discurso ou da instrução, mas pelo exemplo.

Eu recomendo muito este livro para quem quer ler algo que fale sobre racismo de um jeito rápido e real, assim como para quem ainda não conhece autoras clássicas do gênero — Toni foi a primeira mulher negra a ganhar um prêmio Nobel de literatura.

📚

Título: A origem dos outros — seis ensaios sobre racismo e literatura (The Origin of Others)
Autora: Toni Morrison • Editora: Companhia das Letras • Tradução: Fernanda Abreu

Postar um comentário

9 Comentários

  1. Ai Sil, eu fico tão feliz de ver você se inteirando sobre a causa negra, sem sobra de dúvidas esse é um livro de grande relevância e eu acredito que todo e qualquer livro que venha para tentar iluminar um pouco os leitores sobre racismo e vários outros preconceitos devem ser exaltados, mostrados, esfregados na cara kkkkkk bom, mais um livro para minha lista de leitura.

    Beijos!
    Eita Já Li

    ResponderExcluir
  2. Olá...
    Adorei o post!
    Ainda não conhecia o livro, mas, pelo que você apresentou parece ser uma leitura bem reflexiva. Particularmente, gosto de livros que falem de temas reais como racismo e outros, sendo assim, essa obra foi direto para os meus desejados.
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi, quero muito ler algo da autora. Gostei de saber que os ensaios são curtos e, mesmo assim, nos trazem muitas reflexões e compreensão sobre a forma como pessoas negras são tratadas. Ótimo post!

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia essa obra e confesso que se fosse para escolher pela capa não compraria, ela não me cativou. Mas reconheço que lendo suas impressões e sabendo da importância temática e da proposta de reflexão do livro já fiquei curiosa. Amei demais a dica. Parabéns pela leitura e pela divulgação.

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Admito não lembrar se já li muitos ensaios, acho que não, por isso fiquei curiosa com o livro e sua abordagem de uma temática importante. Já anotando a dica e com certeza lerei futuramente. Adorei a postagem!
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá,
    Interessante os ensaios, muito boa para discussão do tema, ainda mais quando envolve romantização da escravidão que até hoje se encontra em alguns livros.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  7. Ainda não conhecia esse livro, mas pelo desfecho apresentado, já me dá um aperto no coração só de imaginar tudo o que acontece na trama, mas, infelizmente, coisas que acontecem em nossa sociedade. Não sei se é uma leitura que eu faria agora, mas de qualquer forma, é um livro para adicionar na listinha.

    Beijos,
    Blog PS Amo Leitura

    ResponderExcluir
  8. Oi!

    Esse é um livro feito para mim. Sim, sou branca mais adoro toda a cultura histórica envolvendo nossos antepassados negro e esse não é diferente, embora o olhar tenha uma perspectiva sobre a literatura. Dizer que adorei a dica é pouco, amei. Obrigada!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Esse parece ser um livro que faz a gente sentar e refletir sobre toda a nossa vida e nossas ações, das mais simples até as mais graves. Sei que ainda tenho muito o que aprender sobre o outro, especialmente por ser branca, a gente nunca sabe qual é o sentimento de uma pessoa que é olhada torto apenas por ser negra, nunca saberemos. Gostei muito da dica do livro e espero conseguir ler em breve.
    Abraços

    ResponderExcluir