Resenha: Um Pequeno Favor

24/09/2018

É extramente arriscado ler um livro que já chega com uns dizeres o comparando com Garota Exemplar e A Garota no Trem. Nunca resenhei Garota Exemplar, mas já falei sobre A Garota no Trem por aqui e minha insatisfação foi enorme com essa leitura. Mas acabei correndo o risco com a leitura de Um Pequeno Favor pois gosto do mistério que o livro promete.

E sim, da para ter uma leve comparação com esses dois best sellers citados anteriormente, mas no geral a trama é mais leve e até mesmo moderna. Aqui temos duas amigas. Uma tem um trabalho de relações publicas em uma empresa de moda e a outra é uma dona de casa que tem um blog voltado para mães, que ela considera um grande trabalho. São duas mulheres diferentes e com vidas diferentes mas com seus filhos em comuns (os dois são amigos da escola). Até que uma delas desaparece e acaba virando a vida da outra de cabeça para baixo. A trama começa logo ai e Stephanie (a blogueira) se prontifica a ajudar a familia de Emily após seu desaparecimento, além de falar muito sobre o caso em seu blog. Inclusive eu acho que o livro tem muito mais um "q" de Garota Exemplar e Gossip Girl do que A Garota no Trem. Afinal ao longo do livro existem trechos de fofoca e stalking.


É um livro que te prende, que te faz continuar lendo para saber o que aconteceu de verdade com Emily e o que ira acontecer com Stephanie. Além dos inúmeros segredos que as duas guardam. Existem uma diferença neles, já que Stephanie é do tipo que vai revelando seus segredos ao leitor logo e Emily não, deixando um mistério ainda maior na trama.

Não consigo ter uma personagem favorita. Ambas são mesquinhas, ambas são invejosas. A diferença é que Emily é a maldosa e Stephanie é a bobinha... até inocente. Ela acredita no poder da amizade e faz de tudo para ser a melhor amiga que uma pessoa pode ter, mas acaba se envolvendo em coisas arriscadas em nome disso. Ao final de tudo não existe lado em que o leitor acabe tomando mas existem lados em que o leitor pode aceitar ou simpatizar mais, pois colocando as duas na balança sempre existe uma personalidade que afeta mais.

O livro tem alguns plots twists desde o inicio. Alguns são do tipo MEU DEUS e outros são mais óbvios, mas isso vai depender de leitor para leitor. Ele tem um final legal, porém previsível. Não é algo que irá agradar a todos e agora com a adaptação chegando se o final for o mesmo acredito que algumas pessoas ficarão insatisfeitas.

Resenha: Restaura-Me

11/09/2018

Desde o inicio deste blog (que não chamava Estilhaçando Livros por um acaso) eu sempre deixei claro que sou mega fã da Tahereh Mafi e da trilogia Estilhaça-Me, então claro que quando ela anunciou um novo volume da saga eu fiquei surpresa (pois fui uma das poucas que tinha ficado feliz com o final) e, claro, fiquei com bastante medo. Logo na primeira chance que surgiu em parceria com a Universo dos Livros de ler esse novo volume eu já fui aproveitando e ainda não sei explicar como me sinto exatamente com esse livro.

Mesmo eu tendo gostado do final da primeira trilogia ao ler esse novo volume eu fiquei pensando que realmente ele precisava de uma continuação, pois tantas coisas vão acontecer que eu me senti burra por não ter pensado em algumas delas antes. É claro que um governo como o Restabelecimento nunca cederia a uma menina de 17 anos que mal tem noção do que está acontecendo com o mundo, principalmente depois de ter ficado trancada em um sanatório por tanto tempo. E é justamente esse o tema principal deste volume, além de algumas questões pessoais de Juliette que não é de surpreender que tenha relações com o Restabelecimento.


O livro é narrado por Juliette e Warner e que saudades eu estava dele <3. Um dos melhores personagens masculinos já feitos por essa leva de autoras de distopias e YA. Ele tem esse passado sombrio e cheio de segredos que nunca param de assombra-lo e agora com a morte do pai tudo acaba piorando. É evidente o esforço que ele faz para ser uma pessoa melhor, para ser a pessoa que Juliette merece e que irá ajudar a todos mas ele é um ser humano com muitas falhas e nem sempre ele acerta. E foram os erros dele que deram uma reviravolta na história que me deixou completamente surpresa. Quanto a Juliette tudo que eu pensava sobre ela ser uma personagem extremamente forte foi por água abaixo. Não que eu mudei de opinião, mas existem tantas coisas que ela ainda não sabe que toda essa falta de conhecimento a deixa insegura sobre o seu poder e sua liderança. Eu a amo demais e sei que a Tahereh vai fazer essa garota evoluir muito ainda.

Alguns novos personagens surgiram e ainda fica a duvida quais deles são aliados e quais são de fato inimigos e por eles serem filhos de outros Comandantes Supremos essa duvida é totalmente justificável. Uma pena foi que personagens antigos foram ofuscados e citados somente uma ou duas vezes, mas com um novo plot é de se entender o porque eles não foram usados. E para quem ama Kenji pode ficar despreocupada pois ele é papel importante para Juliette. E sim, Adam é um dos que ficaram ofuscados mas ainda acredito que ele terá um destaque nos próximos dois livros. Gosto da forma como ele foi mudando ao longo dos livros anteriores e espero que ele tenha um final melhor desta vez (principalmente se esse final envolver um bom relacionamento entre Warner e ele).
Ultimamente não tenho sido eu mesmo.
A verdade é que eu não sou eu mesmo há o que parece ser um bom tempo, tanto que comecei a me perguntar se eu, em algum momento, soube quem fui.

Eu não quero dar detalhes do plot pois por ser um livro que os fãs estavam esperando qualquer spoiler vai tirar a principal surpresa da obra. Espero que ninguém fique com raiva dos personagens durante a leitura do livro, hehe.