Resenha: Além da Magia

30/03/2018


Eu nunca fui muito amante de literatura infanto juvenil, mas sendo algo escrito pela Tahereh Mafi eu não poderia deixar de ler por nada nesse mundo. Claro que não me arrependi. Em Além da Magia a autora provou que consegue escrever gêneros diferentes e surpreender os diversos tipos de leitores. Desta vez o publico alvo são amantes da fantasia (e não vamos nos restringir a idade).

O livro se passa em um mundo imaginário que é regido pela magia e seres mágicos, cheio de cores e alegrias e sua personagem principal se chama Alice, uma jovem de 12 anos que nasceu sem nenhuma cor e por isso sempre se considerou diferente e até mesmo odiada pelos seres que vivem em seu mundo. Alice tem a necessidade de provar seu valor para a sua sociedade e até mesmo para a própria Mãe, que evidentemente a culpa pela desaparecimento do Pai. Mesmo com esses problemas Alice nunca deixou de ter esperança de encontrar seu pai e mostrar aos habitantes de Ferenwood que ela inteligente, capaz e tem tanto talento quanto todos os outros; O problema é que ela sente vergonha de si mesma e precisa quebrar essas barreiras. Não é uma missão fácil e ela não parece muito preparada para isso mas ao longo da história vamos vendo as suas mudanças ocorrendo conforme ela vai quebrando a cara em Furthermore.


Alice sai de Ferenwood com Oliver Newbanks, um garoto que tem a missão de encontrar Pai de Alice em Furthermore. Após um ano de falhas ele em pedir a ajuda da menina em sua missão, pois acredita que ela é a unica que pode realmente ajuda-lo a passar por todos os obstáculos e descobrir o que verdadeiramente aconteceu com Pai. E então eles saem nessa aventura juntos. E quando eu digo aventura não digo apenas no sentido de explanar o que acontece durante a obra, e sim de realmente pontuar tudo o que eles passam. Além da Magia foi, com certeza, um dos livros de fantasia que eu li que mais me mostrou realmente o que é literatura fantástica — e até me fez gostar um pouco do gênero.

Em Furthermore existem diversos vilarejos e todos tem suas próprias peculiaridades, criaturas boas e más e que no geral querem devorar criaturas magicas vindas de outros lugares. Existiram situações em que eu me vi com medo do que poderia acontecer com essas crianças, principalmente porque a autora não demonstrou ter nenhum problema em mostrar a maldade desse mundinho. Além da Magia é um infanto juveil que pode vir a deixar algumas crianças com medo, isso não pode-se negar, mas que também ira mostra-las coisas como preconceito, a importância do amor próprio, senso de perigo, compreensão  do porque os pais fazem o que fazem, e principalmente valor de uma amizade.

Apesar de ter gostado muito da história eu acabei me decepcionando um pouco com o final. Eu sempre vejo problemas em histórias em que o final é fácil e muito feliz. Claro que entendo o porque o final foi feliz, mas ainda assim o achei muito rápido e fácil diante de todas as coisas que aconteceram durante a narrativa, mas isso não tirou o encantamento do obra. Outro ponto positivo foi que Tahereh optou por uma historia narrada em terceira pessoa por um narrador que "ouviu" a história pela própria Alice. Este narrador conversa conosco antecipando nossas próprias duvidas e explicando pontos que ficaram para trás ou que nos fariam pensar "opa, tem algo errado ai". É um dialogo com leitores que pouquíssimos livros conseguem fazer tão bem. Além da Magia não chegou a entrar para a minha lista de favoritos mas é um livro que com certeza farei questão de indicar a amantes de fantasia e literatura infanto juvenil.

Quotes: Estilhaça-Me

28/03/2018


Faz alguns anos desde que li pela primeira vez Estilhaça-Me, o primeiro livro da trilogia Estilhaça-Me da autora Tahereh Mafi. E como uma grande fã dessa trilogia (é minha preferida e quem acompanha o blog há bastante tempo sabe/lembra que o nome era Estilhaçando Livros justamente por causa dessa trilogia) eu estou super ansiosa para o lançamento da nova trilogia, que será lançada agora em Abril e o primeiro livro se chama Restaura-Me. Para dar uma amenizada nessa ansiedade vou tentar reler a trilogia (mas acho que vai ser difícil), mas enquanto não faço isso separei algumas quotes favoritas do livro.
— Nunca quis que tivessem medo de mim.
— Deveria. — Ele para. Seus olhos estão me chamando de idiota. — Se eles não a temem, perseguirão você.
— As pessoas perseguem coisas que elas temem o tempo todo.
— Ao menos agora eles sabem o que estão enfrentando.
Quero mergulhar em seu ser, experimenta-lo com todos os cinco sentidos, afogar-me nas ondas de mistério que envolvem minha existência.
Quero provar a paisagem de seu corpo.
A esperança neste mundo sangra no cano de uma arma.
O Sol é uma coisa arrogante, sempre vendo o undo pelas costas quando se cansa de nós.
A Lua é uma companheira correta.
Ela nunca se vai. Está sempre lá, observando, constante, reconhecendo-nos e nossos momentos de luz e escuridão, em constante transformação, assim como nós. Todos os dias uma versão diferente dela mesma. As vezes fraca e livida, noutras forte e cheia de luz. A Lua compreende o significado de ser humano.
Estávamos nos matando na tentativa de permanecermos vivos.

Bom, esta é a primeira vez que faço um post só de quotes e espero que vocês tenham gostado. Em breve farei a resenha do novo livro e quem sabe da primeira trilogia, se eu conseguir reler tudo hehehehe. <3 br="">

Sobre A Parte que Falta

26/03/2018



Que alguns ytubers tem capacidade de influenciar as pessoas isso todo mundo sabe, certo? Mas eu mesma confesso que nunca tinha entendido a dimensão disso até ver pessoas chegando na livraria em que eu trabalho pedindo A Parte que Falta, de Shel Silverstein.

A querida ytuber Jout Jout indicou esta obra no dia 20 de Fevereiro em seu canal. Aliás, não apenas indicou como fez uma leitura e mostrou o livro em seu vídeo onde ao final ela até se emociona com o destino da bolinha que é a personagem da história. De fato, sim, a história é interessante e pode causar certa emoção no leitor, principalmente os leitores adultos que muitas vezes na vida já passou por situação semelhante ou igual aquela personagem; Mas a questão é que A Parte que Falta não é um livro para adultos e sim para crianças. A obra fazia parte da Cosac Naify que fechou as portas há algum tempo e foi relançada pela Cia das Letras, pelo selo Cia das Letrinhas. Como uma adulta e chata, com 26 anos, realmente não sei definir ou adivinhar qual a mensagem que uma criança pode pegar deste livro, a não ser ter um certo encantamento pelos traços simples dos desenhos (que pode até mesmo ser imitando pelas crianças).

Mas o que realmente me intriga é: Porque a obra é tão atrativa para os adultos? Será mesmo sua mensagem? Ou será que o principal motivo é a influencia e carinho de uma ytube famosa?

Ocorreu uma situação que achei bem engraçada sobre uma cliente que pediu este livro na loja e veio com diversos elogios e dizendo que é uma das melhores coisas que ela já viu na vida... rs. Eu, um pouco sincera demais, já soltei um "não vi nada demais" e ela ficou totalmente embarbascada, mas ao ser questionada do porque esta obra ser tão maravilhosa quanto ela queria exaltar sua resposta foi somente um "porque é muito top". Claro que a interpretação e carinho com a obra pode ser diferente nos diversos tipos de leitores, e digo os adultos obviamente, mas que ao menos a pessoa saiba dizer o porque gosta da obra e não apenas siga a influencia de alguém famoso. Enfim... eu sou chata mesmo com essas coisas e só quis expor um pouco da minha opinião.

Pra quem não viu então acesse esse link para ver o vídeo da Jout Jout e entenda (ou não) o porque de hoje ele estar em primeiro lugar na lista dos mais vendidos da Veja*.

*(post escrito no dia 24/03/2018)

Resenha: Sejamos Todos Feministas

19/03/2018

Depois que comecei a trabalhar em uma livraria dei atenção para autores e livros que antes ignorava na blogosfera e Chimamanda é uma delas. O discurso que a autora fez no TEDx virou um mini livro e está disponível gratuitamente na Amazon (mas também tem a versão física, para quem gosta de guardar) e pode ser lido por todas e todos. Após ler um ou dois contos dela aproveitei para dar uma conferida nesse discurso e posso dizer que amei.


É um texto pequeno mas que coloca questões tão obvias que pode surpreender que para alguma pessoas, principalmente de culturas diferentes como na Nigéria, não faça realmente sentido. O feminismo é um assunto digamos que polemico hoje em dia, tanto pela sua popularização e banalização por meio de pessoas que acredita ser um grande mimimimi de quem levanta a bandeira. Confesso que eu mesma já tive momentos da vida que me vi contra o feminismo, sem nem ao menos entender bem o que ele era (e por ver mulheres fazendo discurso de ódio contra homens em nome do feminismo). Este livro é ideal para quem tem esse tipo de pensamento, pois ele da exemplos reais do que é o feminismo e onde ele se encaixa, no que ele se encaixa, e porque é importante para as mulheres lutarem por si.
O problema da questão de gênero é que ela prescreve como devemos ser em vez de reconhecer como somos.

Não tem muita coisa para falar sobre a obra além de que é uma leitura curta e que vale a pena pelas palavras da autora. Recomendo a leitura de outras obras dela, que não tratam apenas sobre feminismo mas também sobre racismo.