Resenha: A Mais Pura Verdade

Mark é um garoto doente que cansou de ser doente. Cansou de sua vida, cansou de ver seus pais sofrerem e cansou de ter esperanças. Por isso decide fugir em busca de algo, que aparentemente é a própria morte. O destino? O topo do Monte Rainier – 423 km longe de casa. Parece uma grande aventura sem considerar todos os poréns, dificuldades. Minha identificação com o personagem foi imediata, mesmo com a nossa grande diferença de idade e o fato de eu não estar doente. Apesar da pouca idade ele conhece a dor, sofrimento e injustiças do mundo. Nenhuma criança deveria entender desse assunto tão bem. Crianças devem ser felizes, devem brincar sem se preocupar com as coisas ruins a sua volta. Porém a vida não é justa e nós sabemos disso.

Durante a leitura fiquei me perguntando o que ele realmente estava procurando ao iniciar essa viagem sem volta. Apesar de suas pequenas dicas indicarem um caminho eu sempre acreditei em algo mais, algo que nem ele ainda havia percebido. Mark procurava a morte, mas será que ele não vai encontrar a si mesmo? Será que ele não vai encontrar um sentido para a sua vida? Não desistir mesmo quando ela está tirando tudo dele. Ao longo de sua viagem, através das pessoas que ele conhece e suas histórias sua perspectiva da vida vai mudando até ele tomar uma decisão que decidira de vez o rumo de sua viagem.


Mark levou consigo na viagem seu fiel cachorro Beau, que com certeza dispensa comentários. Beau é a prova de que o cão é o melhor amigo do homem e se essa fosse uma história real Beau seria aquele cachorro onde os programas de tv mais sensacionalistas, que adoram colocar todos os assuntos em pauta, iriam falar por um programa inteiro. Os capítulos do livro são dividos entre Mark e narração em terceira pessoa nos colocando a par da situação em sua casa, principalmente com sua melhor amiga Jessie – a única que sabe para onde Mark está indo e enfrenta um dilema entre guardar o segredo do amigo ou contar o que sabe para seus pais.
Mesmo a muitos quilômetros de distancia,
um amigo ainda pode segurar a sua mão
e estar ao seu lado.

Dan soube criar uma história emocionante com seus momentos de aventura e altos e baixos emocional do protagonista – sempre na medida certa. Apesar do tema parecer ser pesado a leitura é leve e o leitor pode conclui-la em um dia.


Postar um comentário

0 Comentários