Resenha Diário de Uma Paixao

24/07/2017

Que o titio Nicholas Sparks é um dos autores favoritas das leitoras de romance não é novidade para ninguém, então após alguns anos de blogosfera e lendo alguns romances eu resolvi que leria meu primeiro Sparks. Escolhi Diário de uma Paixão pois das adaptações do autor essa é uma que eu sempre gostei então imaginei que iria gostar também do livro e foi exatamente assim que aconteceu. Claro que se você leu o livro e viu o filme sabe das diferenças entre um e outro, mas isso não me incomodou em nada, até mesmo achei que o filme foi um complemento para algumas coisas que senti falta no livro.

Allie e Noah formam o casal perfeito, daqueles que parece que nem existe de verdade, sabe? E justamente por essa fantasia que eu gosto deles. A forma como eles foram se apaixonando na adolescência e em como esse sentimento permaneceu com eles ao longo dos anos, mesmo com a distancia e a falta de contato entre eles. Em uma época em que não existia tecnologia e os únicos meios de comunicação com pessoas queridas era cartas e telefone a procura por alguém era como achar uma agulha em uma palheiro mas por alguma força do destino, ou sei lá como pode-se chamar aquilo, algo os uniu novamente já na vida adulta e é ai que faz toda a diferença. Amores de adolescência pode ser lindo mas só se prova verdadeiro ao longo dos anos, com as coisas da vida e tudo mais e então fica uma expectativa bem grande para saber como ira ocorrer o reencontro deles.



Apesar de ter gostado bastante do livro eu achei um pouco estranho a forma como o autor aborda os personagens... Na verdade eu senti como se ele não fizesse muito isso. O foco realmente esta na historia deles e não neles, entende? Eu senti falta de conhecer um pouco mais deles e as vezes até saber mais sobre seus pensamentos e sentimentos. Talvez pela narrativa ser em terceira pessoa isso fica um pouco mais difícil, ou talvez seja apenas o estilo do Sparks mesmo e eu não estou acostumada acabei achando estranho. De qualquer maneira isso não é algo que tira o mérito do livro.

Para mim não é um livro que emociona e chega a arrancar lagrimas, mas é uma historia de amor em que tenho certeza que muitas pessoas gostariam de ter pelo menos um pouco haha. É uma leitura rápida e tranquila, da para ler num domingo de frio como eu fiz.

Cadê meu Fone? #8

20/07/2017


Eu ando uma pessoa muito musical ultimamente, cheia de conhecer bandas novas e escutar algumas coisas não-tão diferentes do que costumava ouvir, mas sim dando chance para outras que antes passava reto. Então resolvi mostrar para vocês quais são as últimas bandas que passei a ouvir (não necessariamente que conheci recentemente).

While She Sleeps

Eu conhecia essa banda de nome há uns dois anos, mais ou menos, mas foi somente no inicio desse ano que resolvi dar uma chance para ouvir o álbum deles. Quando eles lançaram You Are We eu acabei ficando apaixonada pela banda e agora fico ouvindo direto.

Bad Omens

Alguém me falou dessa banda há alguns meses e eu ouvi pela indicação, mas deixei de lado. Estava ouvindo uma playlist aleatorio e começou a tocar essa musica e acabei curtindo e passei ouvir o album todo e acabou que curti bastante e agora não da do Spotify.

Motionless In White

Essa banda há uns dois anos veio pro Brasil fazer show junto com o BFMV (minha banda favorita) e lembro que eu tinha escutado mas havia odiado IUAHSAUOHUI. Não cheguei a ver show inteiro deles, mas não curti o que vi. Por algum motivo eu procurei ouvir no Spotify e depois que eles lançaram o novo álbum eu comecei a ficar viciadinha.

Ghost
Ta aí outra banda que eu não gostava e agora eu ouço. Ainda não estou viciada, mas sempre que posso coloco umas músicas para tocar no aleatório. O gênero não me agrada muito e nem a sonoridade, mas tem momentos que é agradavel.

Top 5: Jake Gyllenhaal

17/07/2017

Há alguns anos eu descobri essa criatura maravilhosa criada pelo divino chamado Jake Gyllenhaal. Ele fazia uns filmes mais ou menos e até umas comédias bobas, até que seu talento passou a ser reconhecido pela industria e ele passou a estrelas filmes realmente bons que agradam aqueles cinéfilos mais chatos. Por gostar tanto dele resolvi fazer um top 5 (ai que dor ter que escolher apenas 5) filmes com ele que eu amo. Vou tentar deixar na ordem do que gosto mais para aquele que gosto menos, mas não subestimem nenhum.

Donnie Darko

O que falar desse filme loko que eu mal entendo e considero paks? Esse é um filme de 2001 que até hoje gera assunto nos fóruns pela internet e não é para menos, ainda mais se tratando de viagem no tempo e tudo mais. Não foi o filme de estreia dele, mas foi o primeiro que eu me lembro de ter assistido e desde então se tornou meu favorito do ator (e também um dos favoritos da vida).

Jimmy Bolha

Sinceramente esse filme é bem ruim, tipico besteirol americano. Mas quando a gente se diverte não da para tirar da lista, certo? Jimmy é um garoto doente que não pode sair de casa até que conhece sua vizinha e se apaixona. Sério, a premissa é boba mas ele é bem divertido e até que trás algumas ~lições clichês.

Os Suspeitos

Os Suspeitos é um filme que eu já vi umas três vezes e não canso de repetir. O elenco é maravilho (além de Jake tem Hugh Jackman e Paul Dano) e é aquele tipo de filme que te deixa apreensivo o tempo inteiro (eu pelo menos adoro uns filmes assim). Nele Jake é um policial que esta investigando o desaparecimento de duas meninas e além de lidar com o caso, que já vai se mostrando difícil, também precisa lidar com o pai de uma delas e quer fazer justiça com as próprias mãos.

Zodíaco

Zodíaco também é um filme policial mas nele Jake interpreta um cartunista de jornal que ajuda a desvendar uma carta de um serial killer. A partir dai ele fica envolvido no caso de uma forma indireta. Se eu não me engano o filme é baseado em fatos reais, então tem toda uma tensão pela história (e como eu não sabia até ver o filme queria saber se eles conseguiram ou não pegar o assassino). O elenco conta com Mark Ruffalo e Robert Downey Jr.

Contra o Tempo

Aparentemente a Silviane é louca do filme de viagem no tempo, então por isso tem dois com o mesmo tema na lista. É engraçado ver o ator em dois personagens diferentes dentro de uma mesma temática e mesmo eu achando o Jake um ótimo ator desde sempre é possível ver também a evolução nele neste filme (que até que para o ano atual é bem antigo). O filme tem uma temática que os americanos parecem adorar: terrorismo. Então já pode esperar algo bacana.

Bom, eu disse que a lista seria dificil fazer, até porque eu também adoro O Segredo de Brokeback Mountain, O Abutre (apesar de ter odiado o personagem em si) e O Dia Depois de Amanhã. Ainda tem outros filmes do ator que eu não vi, mas vamos atualizando a lista, né?

The Flash Book Tag

13/07/2017


Faz muuito tempo que não posto uma tag por aqui, então pedi indicação dazamiga para fazer alguma e a Sammy me mandou essa que ela mesma criou. The Flash Book Tag consiste em responder algumas perguntas inspirada nos personagens principais da série Flash no meio literário. Bom, eu nunca vi a série mas como a tag é legal vou tentar responder certinho. :3

Barry: Um livro que você leu rapidamente
Tinha uma época que eu sinto saudades em que eu lia muitos livros e numa velocidade incrivel. Bom, nessa mesma época eu li Never Never e como alguns devem saber o livro é super curto e é uma trilogia. Pois bem, não satisfeita em ler só um livro eu li os três no mesmo dia.

Cisco: Um livro ou série que liga passado e futuro
Esse é um livro que eu li há muuuuuuito tempo e tinha até me esquecido da sua premissa até olhar minha lista de lidos no Skoob para responder essa tag. É uma leitura bem legal, e sendo da Jojo já da para esperar que o livro é bom e emociona. 

Caitlin: Um livro com uma história trágica ou triste

Não da para pensar em história triste e/ou trágica sem lembrar de Proibido, sinceramente mesmo eu amando esse livro é uma leitura que eu não quero fazer tão cedo novamente.

Wells: Um livro com personagem que você tinha dúvidas de suas reais intenções
Eu acho que a grande maioria dos livros tem algum personagem que nós duvidamos durante a leitura. Eu escolhi O Ceifador porque Rowan em alguns momentos me deu um rebuliço na cabeça.

Iris: Um livro com um personagem jornalista ou escritor
Mais do que um livro com personagem escritor (no caso escritora). Além-Mundos é um livro que conta mais ou menos o processo de escrita de um autor e os relacionamentos no meio literário.


Joe: Um livro policial
A Síndrome [E] é aquele tipo de livro bem louco com coisas bem mórbidas, não somente um romance policial com investigação mas ele tem algo mais.

Henry: Um livro que você leu no passado e tem muita estima
Eu lembro pouco sobre esse livro. Eu sei que o li há mais de dez anos e fiquei apaixonada pelo livro na época. Ainda quero reler, mas não consigo encontrar esse livro para comprar.

Enfim, galera. Espero que tenham gostado. Não vou indicar nenhum blog para a tag, mas quem quiser sinta-se a vontade. ;3

Resenha: Meu Coração e Outros Buracos Negros

10/07/2017

Tinha algum tempo que eu queria ler esse livro pois sempre achei a capa e o titulo super fofinho, e como uma boa amante de YA que sou o livro já havia me pegado também pela sinopse. O que eu não esperava encontrar era uma história tão bonita em meio a todo o caos que é a vida da protagonista.

Aysel tem 16 anos e carrega para si o peso da culpa por algo que ela não fez, mas acredita de todas as formas que ela tem parte de culpa pelo que houve. Tenho certeza que todo mundo já se sentiu assim em algum momento da vida e imagina como deve ser esse sentimento na fase mais confusa de uma pessoa (a adolescência, caso você não tenha percebido). Ela se sente triste, sozinha e julgada por sua família e colegas de escola (não amigos, pois isso ela não tem) e a cada dia que passa isso a consome mais e mais. A personagem descreve isso como uma lesma negra que vai sugando tudo dela. Sim, claramente ela tem depressão mas nunca procurou ajuda e acredita que a unica solução para si é a morte. O problema é que é muito difícil fazer isso sozinha e é por isso que ela sempre visita um fórum de suicídio (onde pessoas encontram parceiros para concretizar o ato) na esperança de encontrar alguém que possa fazer isso com ela e é a partir daí que a história começa, com uma contagem regressiva até o dia em que Aysel e Roman (seu parceiro) finalmente vão poder concretizar o que tanto desejam: se matar.


Aysel e Roman tem menos de um mês para o dia escolhido para o suicídio e eles decidem se conhecer um pouco nesse meio tempo. De inicio da para entender os motivos de Aysel, mas ao longo da história com mais detalhes as coisas vão se encaixando muito melhor e eu como leitora fiquei pensando que aquilo não parecia realmente um motivo. Não quer alguém tenha que ter um motivo de verdade para se matar, mas eu não conseguia compreender como ela poderia estar daquele jeito sendo que algumas coisas realmente pareciam que era ela própria que não se esforçava para melhorar. Mas eu nunca tive depressão então não sei realmente como a doença age na pessoa, o que faz ela fazer ou não de sua vida. Eu só conheço do pouco que li em livros, vi em filmes e séries então é claro que a minha percepção é falha. Por isso torci tanto para que ela resolvesse mudar de ideia ao longo da história e com Roman sendo um cara tão legal, ao seu modo, cada vez que chegava próximo ao dia escolhido eu ficava um pouco ansiosa para saber o que iria ocorrer.

Roman me surpreendeu, principalmente ao final do livro. Ele se escondeu a maior parte da história mesmo naqueles momentos em que ele estava sendo honesto com a personagem. Muito sobre ele ficou implícito nas suas atitudes e que só fazem real sentido ao final da obra. De qualquer forma, como o livro é narrado em primeira pessoa pela Aysel e eles não se encontram o tempo todo eu senti um pouco de falta de ter mais desse personagem.
Deve ser sinal do universo, Se a única vez que você tem sorte é quando esta planejando suicídio, certamente é hora de ir embora. 

Claro que se tratando de suicídio o livro é bastante denso, mas a autora conseguiu equilibrar para não deixar uma leitura pesada. Tem momentos que realmente me senti cheia de esperança pelos personagens e torcendo para que eles pudessem ver, de fato, que a morte não é a solução para os problemas.  Dos que li do tema até agora esse foi o que mais gostei, principalmente porque existe em determinado momento um romance entre os personagens e que foi algo tão natural que eu até me esquecia o real propósito dos dois terem se conhecido.

Resenha: Perdido em Marte

05/07/2017

Tá difícil começar essa resenha, mas vamos lá: Aposto que assim como eu você não é uma pessoa habituada a ler ficção científica é justamente por isso vai ter um pouco de preconceito com este livro. Digo apenas uma coisa: pare. Perdido em Marte é simplesmente um dos melhores livros do gênero que eu tive a oportunidade de ler e com certeza ira te divertir tanto quanto me divertiu. Ele é engraçado, apesar de algumas especificações técnicas o autor se preocupou em deixar a linguagem o mais popular justamente para que pessoas leigas possam entender o que está acontecendo com Mark o tempo todo. Por mais que seja um gênero que eu não tenho muita intimidade a leitura fluiu muito bem e eu ficava com raiva quando tinha que interromper a leitura para trabalhar.


Mark é um homem extremamente otimista. Imagine-se Você, após um acidente, estar sozinho(a) em Marte e ter que tentar sobreviver sem nenhuma comunicação com a Terra. Eu acho que no lugar del imediatamente ficaria louça e tomaria alguma atitude extrema, mas ele se concentrou na sua sobrevivência até saber que uma próxima missão chegaria a Marte. Tudo o que ele fez foi tão bem pensado e testado que tem horas que fica difícil acreditar que isso é possível (e bom, não sei se realmente emas espero que isso nunca aconteça para termos a prova). Este é definitivamente o protagonista que carrega toda a história nas costas e consegue não deixar a história chata, maçante.

Ah! E quem pensa que o livro é o tempo todo Mark está enganado, em diversos momentos temos narração em terceira pessoa nos contando o que está acontecendo na Terra, as atitudes da NASA ao descobrir que ele está vivo e também de seus colegas da Ares III. São momentos que me deixaram com um pouco de raiva no início, mas é um pouco difícil entender como essas entidades são tão diplomáticas o tempo todo quando tudo que você quer é que eles ajudem o moço lá no planeta vermelho. 

Para quem ama adaptações também indico o filme que, pelo que me lembro dele, ficou bastante fiel ao livro e isso me agradou (mas assim faz tempo então algumas coisas podem ter passado). 

Filme: Antes que eu Vá

03/07/2017

Adaptação literária é sempre um assunto polemico e geralmente desagrada a todos. Há alguns anos eu li Antes que eu Vá e gostei bastante do livro. Escrevi uma baita de uma resenha para a semana Fale! que a editora Valentina havia promovido e fiquei aguardando a adaptação que já havia sido anunciada naquela época. Como demorou algum tempo até sair o filme eu confesso que me esqueci de muitos detalhes que tem no livro e que possam ter faltado no filme, mas independente disso eu achei a adaptação bem bacana.

Todos os principais elementos mostrados no livro estavam ali. O dia de Sam repetindo várias e várias vezes, e ali sendo mostrado que foram realmente muitas vezes a cada vez que ela acordava. Deu aquela impressão de loop infinito tipo aquele final do episódio de Natal de Black Mirror, sabe?







google imagens
Gostei bastante da atuação da Zoey. Eu não vi muitos filmes com ela, mas é muito bom quando você vê uma atriz fazendo você se esquecer dos outros filmes que ela fez, entende? Eu realmente só a via ali como Sam e não como aquela lá de Academia de Vampiros. Alguns atores não conseguem sair de outro personagem e carregam o tipo para sempre, mas nesse caso ela realmente incorporou Sam da melhor forma. A única coisa chata é que eu amei a Sam do livro e não gostei muito da Sam do filme. Acho que estando fora da cabeça da personagem e vendo mais suas atitudes fica mais difícil de entende-la e simpatizar com ele logo de cara. Ela foi conquistando aos poucos mas não chegou a ser aquela coisa de personagem favorita. Alias, no filme não tem realmente nenhum personagem que seja muito bom ou marcante.

A adaptação tá bem legal e vale a pena dar uma conferida, mas realmente recomendo a leitura do livro que é excelente. O filme ele conta a história como ela é, mas é tudo bem cru no meu ponto de vista.