Resenha: O advogado rebelde




O Advogado Rebelde conta a história de Sebastian Rudd, um advogado conhecido por defender bandidos independente de seus crimes. Sua fama o precede não só pelo tipo de gente que defende mas também pelo modo como advoga.  Sem se importar com limites éticos e morais, Rudd faz de tudo para ganhar, principalmente quando os "mocinhos" estão pegando pesado na sujeira. O livro é dividido em 6 partes e cada uma delas trata de um caso diferente, mas todas as pates e casos estão ligadas entre si. Ao fundo, a história de um divórcio e guarda do filho conturbados e infinitas ameaçar de morte, é contada. 

O livro é narrado em primeira pessoa por Rudd, o que pode ser ao mesmo tempo interessante e chato. Ele com certeza é um personagem irreverente, rebelde como muitos dizem e isso o diferencia de protagonistas comuns. Apesar de ser um advogado, ele não se importa exatamente com as leis ou com a ética quando precisa fazer alguma coisa que ultrapasse essas fronteiras. Rudd luta sim contra um sistema corrupto e injusto, tem seus pontos ao tentar fazer algumas boas ações mas isso não o libera de ser uma pessoa errada. Ao mesmo tempo, a narração em primeira pessoa se torna um tanto quanto chata justamente por essa personalidade que não causa um afeiçoamento por parte do leitor.

Não vou apontar se o livro é bom ou ruim, isso depende muito do gosto pessoal de cada um, mas posso dizer que o livro não funcionou comigo. A leitura foi extremamente enfadonha e posso afirmar que muitas partes poderiam ser puladas sem prejuízo para o entendimento. Rudd narra os acontecimentos de um tribunal e de relações com a polícia de forma a deixar claro seus pensamentos e detalha bem cada passo. Para uma pessoa interessada em conhecer esse mundo, tudo isso pode ser interessante mas pra um leitor, como eu, que pega o livro sem saber tão bem assim o que encontrar e pretende ter uma leitura agradável para passar o tempo, isso se torna cansativo. 
Rudd também acaba se tornando muito repetitivo em sua narração, principalmente na primeira parte do livro onde senti que afirmações foram repetidas quase que inteiramente iguais. 

Os caso chamam a atenção e abrem uma certa curiosidade, que seria mais atiçada com uma narrativa mais ágil. Todos eles se relacionam e acontecem num período de tempo curto. Algumas são bem fantasiosas num primeiro momento mas nada que não seja aceitável. Porém, alguns acontecimentos com o advogado, sim, ultrapassam um pouquinho o que parece ser real. 

O livro pra mim acaba não merecendo todos os elogios que tem na capa. É sim um livro bem escrito apesar de se arrastar um pouco, mas nada que o torne destacável entre outros. 
O trabalho da Rocco é simples e bem feito, a capa do livro chama a atenção. 

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Oi Nathalia, tudo bem?

    John Grisham é um autor super comentado, né? Mas não li ainda este livro, que pena que não funcionou com vc, quem sabe outro dele fique melhor!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir