Resenha: Amos e Masmorras - O Torneio

30/03/2016


Não contem spoilers - leia a resenha de A Submissão

A sequencia de Amos e Masmorras é o tipo de livro que mostra aos leitores que, nem sempre, sequencias são super legais. Não que o livro seja ruim, pelo contrário. Me diverti muito com a leitura desta obra que, por incrível que pareça, é um romance erótico. E sim, quando eu digo que me diverti não foi apenas pelo prazer da leitura mas sim por momentos em que eu ria muito das situações que Cleo teve que passar.

Depois do final de A Submissão eu fiquei imaginando inúmeras possibilidades para este volume, mas infelizmente nada do que eu imaginei aconteceu. Torci para que Cleo fosse para o torneio com um determinado personagem mas as coisas tomaram outros rumos e quando chegou lá ela logo deu seus pulos para se juntar e Lion e participar do torneio com seu querido mestre. A personalidade de Cleo não sofreu grandes alterações no decorrer dos livros, mas ficou um pouco incomodo que ela a todo tempo se lamentava pelo amor não correspondido de Lion. Isso é comum de acontecer mas é um pouco chato às vezes, né? Parece que perde o foco na história, que neste caso esta sendo no torneio em que ela deveria, de fato, salvar sua irmã. Lion é outro que não mudou em nada no decorrer da obra e no caso do moço isso é um aspecto negativo. Eu comentei na resenha de A Submissão que o achei um pouco machista e impulsivo e isso persiste em O Torneio. Para piorar junta o drama dele em relação ao que ele sente por Cleo e a missão e fica tudo um amontoado de mimimimi sem fim e em alguns momentos eu me perguntava "cadê o sexo?", "cadê a safadeza?" Pois é.

Mesmo que eles estejam no torneio onde o foco deveria ser o próprio BDSM isso acaba ficando em segundo plano. Existe sim algumas cenas com descrições mas não chega a ser algo extremamente sensual. A impressão que tive é que foram apenas descrições para o leitor se situar no que estava acontecendo, mas sem querer estimular algo, entende? haha Além do drama mimimi do casal, onde todo o resto da história fica em segundo plano, neste caso a história acaba se voltando completamente para a missão em que eles devem cumprir. Entende como chega a ser contraditório? De qualquer forma isso não me fez odiar o livro como parece. A leitura continuou agradavel e apesar do comentário acima ainda achei bacana não ter aquela coisa de sexo, sexo, sexo o livro inteiro mesmo ele se vendendo como um romance erótico o livro cabe muito mais no aspecto do romance e pronto. E isso é okay. Eu gosto.

Alguns possíveis casais foram se formando ao longo deste livro e como se trata de uma série eles serão abordados nas próximas edições, por isso não acho relevante cita-los neste texto já que eu vou ler sobre eles em algum momento. De qualquer forma vale a pena a leitura para fãs do gênero.
Ninguém era Deus, entretanto todos podiam ser demônios. 
O amor de verdade era uma flecha de ponta dupla que uma vez te alcança é quase impossível de arrancar e se o faz, os danos colaterais são mais graves e sangrentos.  

Cadê meu fone? #1

28/03/2016


Olá!
Hoje vou fazer um post diferente por aqui. Quer dizer, não tão diferente já que todos os blogs em algum momento fazem um post com playlists e tudo mais. Então eu resolvi fazer também (e porque estava sem ideia kkk). Não sei ainda se vou seguir um padrão nas escolhas das músicas ou vou deixar no aleatório sempre, mas hoje eu escolhi das três músicas mais escutadas por mim no último mês (19/02 à 19/03).

Atreyu - I Would Kill / Lie / Die (For You)


Miss May I - Bastards Left Behind


SHVPES - State of Mine


Bom, é isso! Espero que gostem.
Só escolhi três músicas porque eu sei que ninguém bota play em, sei lá, dez músicas de posts de playlist iuAUOHAUHAUHAUIA na verdade se da play em uma é lucro. rs Mas eeenfim, minhas queridinhas do mês ♥ (e não só do mês, amo as três músicas e tão sempre tocando por aqui).

Beeeijos.

Resenha: Espelho dos Olhos

25/03/2016



Vocês perceberam como o blog anda cheio de resenha de livros nacionais? Não sei se já comentei por aqui mas este ano (com apenas três meses) eu li muitos nacionais (ainda não contei, mas sei que foram mais do que estrangeiros). Eu não tô participando de nenhuma meta para me incentivar a leitura dessas obras, isso está acontecendo de forma natural (com uma ajudinha de algumas parcerias, mas nem todas). ♥ Fico feliz com isso. E bom, claro que a resenha de hoje será de um nacional também: Espelho dos Olhos, do autor Nicolas Catalano.

É aquela velha história: Eu não tenho só elogios para este livro. Na verdade eu acho que diversos pontos me incomodaram durante a leitura que eu quase abandonei, mas sou muito insistente e quis ler até o final (o que foi bom, pois ai fiquei curiosa para saber o que irá acontecer na sequencia!). Confesso que quando percebi que teria sequencia eu fiquei bastante brava. Estava esperando um livro único e com o andamento da história eu torcia para que fosse, pois na minha opinião as suas 464 páginas poderia ser facilmente reduzidas para 200. Eu senti que muita coisa que o autor colocou na obra foram repetitivas e que poderiam abrir espaço para outros aspectos, como por exemplo trabalhar melhor no amadurecimento da personagem. Eu a vi o tempo todo como a garota que só sabe lamentar e lamentar, sabe? Uma menina totalmente anti social, que por mais que tenha uma carência de amigos e/ou afeto que esses possam te dar apenas se isola lamentando-se. Nós, leitores, já sabemos que tudo de errado está acontecendo com você (eu falando direto com a personagem), não precisamos de lembretes a cada dez páginas.

Tirando isso a história trás ótimas criticas. Eu percebi uma leve critica ao sistema religioso, onde todos pregam que devemos ser bons uns com os outros, ser e fazer aquilo e aquilo mas na verdade praticamente ninguém o faz. Quer dizer, quantas vezes não vimos por ai pessoas que pregam religião fazer mais mal as pessoas do que aquelas que até mesmo se dizem ateístas? Não sou contra nenhuma religião, mesmo eu não tendo nenhuma, mas não vou esconder que atitudes extremas é algo que me incomoda bastante. O autor também faz uma critica da desigualdade de classes, já que na obra a sociedade é dividida por setores além da cor dos olhos; sendo alguns mais pobres e outros mais ricos e somente os ricos conseguem certificado de cidadão após se formarem na Escola Talental. Sim, o livro chega bem próximo de ser uma distopia e eu vi no Skoob uns comentários enfatizando isso, então não vou argumentar que não apesar de eu sentir mais a carga distópica da coisa toda. Como eu disse, parece que o livro girou em torno do sofrimento de Evangellyne. 
— A vida não foi feita para ficarmos um com raiva do outro. Devemos procurar a nossa própria felicidade e não a do outro. Pois a nossa é a que nos move e nos faz sentir aquela sensação boa em relação a quem somos para transmitirmos o bem. 

Infelizmente, para mim, a experiencia com a leitura de Espelho dos Olhos não foi das melhores. Quem acompanha minhas resenhas sabem o quanto eu sempre paro e falo dos personagens dos livros e provavelmente perceberam que eu nem falei muito sobre Evangellyne. Isso porque ela foi uma personagem que eu odiei muito e acabaria sendo muito ruim só falando negativamente por aqui sobre a garota. Eu realmente torço para que ela tenha um desenvolvimento melhor na sequencia da obra, pois apesar dos pesares ela tem tudo para se tornar uma boa protagonista. Mas e os personagens secundários? De fato alguns são introduzidos ao longo da história mas eu não senti nenhuma afinidade com eles. Tanto é que na hora que determinada personagem acaba morrendo eu não senti nenhuma tristeza e olha que ela tem tudo para ser adorada. Eles foram pouco desenvolvidos e suas passagens não foram tão proveitosas pela falta de diálogos, já que a protagonista é muito mais adepta ao monologo mental do que conversas. 

Mas não vou dizer para você passar longe deste livro, já que todos sabemos que livros funcionam de uma forma para cada leitor. Talvez essa obra seja tudo o que você esteja precisando. 

TAG: Pokémon

23/03/2016


Oi, gente!

Já faz algum tempo (ANO PASSADO) que o Alisson me indicou para esta tag e eu estava com vários posts prontos que acabei adiando e adiando mas agora tá aqui, antes tarde do que nunca (na verdade tenho várias tags ainda para fazer kkkk). 
Imagem: Re.View

Pikachu: Um Livro que te chocou

Garota Exemplar foi um dos primeiros livros que li quando voltei a ficar viciada em livros (e ainda bem que essa fase não passou e tá durando 3 anos kk) e eu fiquei muuuito de boca aberta com tudo o que acontece nessa obra. Eu acho que nunca esperei ler um livro assim. Excelente leitura. 


Squirtle: Um livro que te fez chorar

Eu sou um pouco durona e é difícil chorar com livros, mas o último que me fez esboçar as lágrimas foi Ps.: Ainda Amo Você. ♥


Charizard: Um livro que te deixou tão bravo que você queria colocar fogo nele

Não Olhe! foi um livro que, definitivamente, me deixou nervosa e com raiva durante 98% da leitura. Eu gostei do livro mas fiquei extremamente irritada com os personagens. 


Pidgey - Um local de um livro para o qual você gostaria de voar

Eu gostaria muuuito de ter um Firebird igual do de Mil Pedaços de Você e poder viajar (nesse caso voar) entre as dimensões. Ver diferentes versões de mim mesma e quem sabe achar uma que tá bem na vida, né? kkkk


Meowth: Um livro que você não compraria de novo

Esc@ndalo é um livro que eu nunca mais compraria na minha vida. Quero meu dinheiro de volta, inclusive. rs


Torchic: Um livro que te fez sentir quente por dentro

Eu não entendi exatamente o que a tag quis dizer com quente, mas sinceramente não consigo pensar em nenhum. :(


Psyduck: Um livro que te deixou confuso e desesperado por respostas

A Menina Submersa foi um livro que me causou essa sensação em praticamente todas as páginas. E honestamente, mesmo após o termino da leitura foi difícil chegar a alguma conclusão. É aquele livro que tem que ser relido em diferentes fases da vida, entende? 


Jigglypuff: Escolha um personagem fraco que você não conseguiu evitar amar

A personagem mais fraca que me vem na cabeça agora é Katy, de Obsidiana. Mas ela não é exatamente uma fraca... e ela é super legal, adoravel e blogueira literária. :\


Piplup: Um livro subestimado

Proibido é um livro polemico, isso eu nunca poderei negar. Mas também é um ótimo livro. Muita gente não quer ler pelo seu tema e sem ler ficam julgando quem leu e defende o ponto de vista em relação a obra. Honestamente, vocês deveriam ler e tirar as suas próprias conclusões. 


Mr. Mime: Quantas pessoas você irá taggear e quem são elas?

Ah, gente! Eu anoto pessoas para taguear e quando o post vai pro ar eu esqueço de avisar. rs Então quem curtir a tag e desejar fazer fique a vontade. ♥

Beeeijos. 

Resenha: Línguas de Fogo

21/03/2016


* Leitura feita em parceria com o booktour Línguas de Fogo e Tempestade de Areia organizado pelo blog Pobre Leitora

Quando aceitei participar do booktour não sabia praticamente nada sobre o livro. Fui encantada pela capa que eu acho linda demais. No decorrer dos meses até recebe-lo li algumas resenhas e fiquei bastante curiosa com a história, pois me parece uma aventura bem divertida de se ler. Bom, de fato foi divertido mas acho que parou por aí a experiencia para mim. Mesmo achando a premissa inicial interessante e esperando para viver uma grande aventura acabei me decepcionando com seus personagens.

O livro é narrado em terceira pessoa e como pode-se observar na sinopse parece que vai focar apenas em Aisling e isso não acontece. Até aí tudo bem, pois é bom saber o que acontece com outros personagens durante a leitura, mas o problema é que tinha momentos na leitura que eu simplesmente me esquecia da existência de Aisling como se ela não fosse tão importante na história quanto a sinopse mostra ao leitor. Acabei ficando incomodada por isso e espero que seja algo que não se repita nos outros volumes. Outro aspecto que me deixou bastante incomodada é a forma como a personagem é retratada quando aparece. Em determinado ponto da história é citado que Aisling tem apenas 13 anos e até aí tudo bem, o problema acaba ficando com o amadurecimento repentino dela que por mais que a situação até fizesse essa exigência não engoli com facilidade. Para mim é muito mais fácil aceitar uma adolescente de 16 ou 17 anos amadurecendo muito rápido do que uma criança como ela. 
Silviane Casemiro | @EstilhacandoSil
O melhor personagem do livro para mim foi Desmond. Ele ajuda Aisling e Dharon a chegarem em seu destino e acaba se tornando amigo deles também. Ele tem umas características que se fazem necessária no livro, tendo algo que pode-se chamar de fé além de (na minha opinião) ser um bom líder. Apesar de Marian ser quem desenvolve esse papel eu ainda espero que Desmond mostre mais de si nos próximos volumes. E o que eu posso falar de Kendra? Essa foi a pior personagem que eu já tive o desprazer de conhecer. Quem lê minhas resenhas tá acostumadx a me ver falando de vilões e o quanto eu gosto deles, mas cara a Kendra é a pior de todas. Eu não acho que ela tem qualidades para ser uma boa vilã e esse é o meu maior problema com ela. Uma mulher que tem ódio do mundo e principalmente dos homens (ao meu entendimento Kendra é o que podemos chamar de misândrica.). Sério, gente... Eu adoro ver personagens que ressaltam o poder das mulheres, mas não desse jeito. Ela é simplesmente horrível e o pior é pensar que existem mulheres como ela nesse mundo. Eu torço ela ter uma morte bem ruim no final da série, viu. u_u'

A leitura é bem rápida e leve, então nesse aspecto vale a pena dar chance para a história. No Skoob eu avaliei com 3 estrelas justamente por isso, pois o livro cumpre com seu objetivo principal de mostrar ao leitor uma aventura e divertir. A questão principal para mim foi o desenvolvimento dos personagens e tenho esperança de que melhore nos próximos volumes. 

------------------------------------------

Resenha: Mil Pedaços de Você

18/03/2016



Eu me lembro mais ou menos do dia que a Agir Now disponibilizou o primeiro capitulo de Mil Pedaços de Você para leitura e o quanto eu me apaixonei por ele. A capa já tinha me encantado e eu com certeza pegaria o livro para ler somente por ela, mas ao entender melhor sobre o que a história se trata eu realmente fiquei curiosa. Para mim é algo completamente novo, pois até onde consigo me lembrar nunca li nada relacionado a dimensões paralelas e a ideia é muito interessante apesar do medinho de ficar perdida com a parte cientifica da coisa, mas ainda bem que isso não aconteceu. Mil Pedaços de Você foi o segundo livro do ano que me prendeu de uma forma que eu não consegui larga-lo de jeito nenhum e eu me vi diversas vezes desesperada com o que estava acontecendo (acho que até mais que Marguerite). Eu sentia que tudo ia dar errado o tempo todo e mesmo que ela fizesse as escolhas que eu julgava correta (sou dessas) ainda me sentia na beira do abismo.

Marguerite é um pouco diferente das outras protagonistas que conhecemos em YA, mas não por ter características do tipo a forte, determinada, corajosa e etc mas sim por ser uma menina direta. Ela está cega de raiva e com sede de vingança pela morte do pai e por isso acaba aceitando a ideia de viajar entre dimensões para ir atrás de Paul, o brilhante estagiário dele, junto com Theo (outro brilhante estagiário); E durante as viagens ela toma atitudes que me deixaram tipo "eu não acredito que ela realmente fez isso... tipo, ela é uma protagonista e protagonistas não fazem isso" mas claro que eu estou errada ou na verdade li livros errados durante toda a minha vida literária, entende? Não é só porque ela é a protagonista que ela precisa ser sempre a santa maria mãe de deus e bom, ela com certeza nunca faz esse papel. Eu acho que no fundo ela é assim por nunca ter frequentado a escola, sei lá... A impressão que da é que às vezes a escola deixa os personagens meio tapados em alguns aspectos. Ela foi educada em casa pelos seus pais e pelos estagiários deles (sim!) e aprendeu muito mais do que qualquer um que frequente a escola dia após dia, tendo a liberdade de tomar sua próprias decisões (na medida do que é permitido para adolescentes). Theo e Paul são os atuais estagiários dos pais e ambos tem idade próxima dela, por isso que a afinidade entre o trio é tão grande.

Gostei de ambos os personagens, mas é difícil explicar as peculiaridades de cada um pois com essa coisa de viagem interdimensional algumas coisas vão mudando ao longo da história e ai eu acabaria dando spoilers. Mas posso dizer aqui que a segunda dimensão que Marguerite visita é mais prazerosa de acompanhar e a que mais nos faz entender os sentimentos da personagem. Ela revela muito sobre ela e sua vida com a família e os meninos nesta dimensão e também por isso essa dimensão acaba sendo a que mais faz o leitor sofrer. Sério, quando ela está quase saindo desta dimensão bateu aquela vontade de chorar não por ela, a Marguerite que acompanhamos no livro inteiro mas a Marguerite daquela dimensão que tem tudo e ao mesmo tempo não tem nada e bom... melhor eu nem comentar. (haha)
Nosso luto nos machuca ao mesmo tempo, como um choque elétrico que saiu dele e veio para mim, ou que saiu de mim e foi para ele.

Bom, o livro não foge de alguns clichês YA e isso pode ser um ponto negativo dependendo do que realmente você está procurando ou querendo ler. Eu amo esse gênero, então eu não me importei com esses detalhes. Mas não se engane, por mais que possa parecer não existe um triangulo amoro neste livro. Eu fui enganada por muito tempo durante a leitura, mas quando chega ao final e as coisas foram sendo reveladas eu percebi que me enganei muito feio pensando nisso durante o livro inteiro, entende? E o que dizer do final? MEU DEUS! Eu preciso ler o segundo livro logo e amém que a Agir Now disse que sai ainda esse semestre, pois olha... Não é fácil a ansiedade. Eu quase tive um treco quando Fulano tomou tal atitude; mas também fiquei feliz com outros pontos que me fizeram ficar com aquela cara de leitora boba alegre e olha que nem tem nada relacionado com romance.

Eu não conheço outros livros da autora, não posso afirmar se este é ou não o melhor trabalho dela, mas sinceramente foi uma obra que me agradou muito e eu acabei adicionando o livro aos meus favoritos. Provavelmente que realmente está acostumado em ler ficção cientifica e livros ou artigos sobre viagem interdimensional podem encontrar algumas falhas na história, mas como eu sou uma leiga foi tudo muito lindo para mim haha no sentido de que é uma ficção e a autora fez de uma forma que fosse de fácil entendimento para o publico alvo do livro.
Talvez a tecnologia seja diferente, mas a superficialidade da cena provavelmente é universal.
— Eu vejo... que você está sempre procurando algo — prosseguiu ele. — Que você realmente odeia coisas falsas ou cópias. Que é madura para a sua idade, mas sem deixar de ser... brincalhona, feito uma garotinha. E como está sempre observando as pessoas, ou imaginando o que elas pensam ao olhar para você. Seus olhos. Seus olhos dizem tudo.  
Agora sei que luto é uma pedra de amolar que afia todo amor, todas as suas memórias mais felizes, e os transforma em lâminas que nos cortam de dentro para fora.

Observações: 
• O livro não fica confuso por causa das viagens. Todas seguem uma mesma linha sem idas e voltas a todos os momentos;
• O livro tem muitos flashbacks que ajudam o leitor entender o relacionamento de Marguerite com a família e seus amigos, além de ser os momentos que a autora nos ajuda a entender melhor a parte cientifica do livro;
• Ela é das artes e uma família toda de exatas ♥;
• Sabe aquela frase famosa do livro A Rainha Vermelha? Ela pode ser bem válida neste livro em alguns momentos;
• NÃO PASSE O MOUSE SE NÃO QUISER LEVER UM MINI SPOILER [Paul ♥]

Top 5 - Episódios favoritos de Friends

16/03/2016


Êeeee, que vai ter Friends aqui e se reclamar faço uma semana especial de Friends. IUAHUHOAUAHIAH mentira. verdade. mentira. talvez. verdade. -q

Não é segredo que eu amo Friends, mesmo que tenha começado assistir um pouco tarde logo a série se tornou uma das minhas favoritas. Vou listar por aqui quais são meus 5 episódios favoritos e não foi fácil escolher. D: Acabei optando por aqueles que mais me marcaram na cabeça.

#5 - The one with the baby on the bus

Eu adoro esse episódio por motivos de: Joey, Chandler e um bebê. ♥ haha
Mônica tem que ir ao hospital com Mônica e então não tem mais ninguém disponivel para cuidar do bebê. O coitado acaba ficando com os dois que usam o garoto para ~conquistar~ mulheres nas ruas. Tudo que envolve Joey e Chandler juntos é engraçado, então eu acabo sempre me divertindo demais neste episódio.

#4 - The one with pediatrician

Eu adoro Paul Rudd desde que assisti I Love you, Man. Como nessa época eu ainda não assistia Friends eu nem sabia que ele havia participado da série. Quando o vi pela primeira vez fiquei tipo OMG é Paul Rudd ♥ e esse episódio é o primeiro em que ele aparece e então a mágica toda acontece. Quem já assistiu sabe o que acontece no decorrer dos episódios (e da temporada seguinte). Aliás, tem um episódio que envolve Paul Rudd que me emociona muito SEMPRE, mas não coloquei ele na lista pois seria um possível spoiler (vai que alguém ai pretende assistir, né?!). 


#3 - The one with all the Thanksgivings

Episódios com flashbacks sempre são amorzinhos (e engraçados). Este não é diferente. Depois do jantar de Ação de Graças eles resolvem compartilhar suas piores experiencias no dia de Ação de Graças e então podemos ver passado de Rachel, Mônica, Ross e Chandler na casa dos Geller. 

#2 - The one Where Paul's the man

Eu gosto desse episódio pois além de ter Bruce Willis sendo uma máquina do amor tem também a primeira parte da cadeia de eventos que gerou o pedido de casamento de Chandler. E esse pedido é um dos pedidos mais lindos de todas as séries do mundo, superando até aquele pedido maravilhoso que Barney fez para Robin em HIMYM. 

#1 - The one with all the Cheesecakes

Tem muitos eps que fazem referencia a comida e eu amo isso ♥ mas esse do cheesecake é tipo o melhor. Adoro a última cena em que eles estão comendo o cheesecake do chão e Joey chega UHAHAUIOHUi eu sempre rio tanto. E super me identifico com Joey e seu bordão maravilhoso.

---------------------------------------------------------------
Bom, aqui listei só cinco eps que eu adoro, mas acho que na verdade não tem ep que eu não gosto dessa série. Tô sempre revendo um outro por na hora da janta e super digo para quem nunca assistir: Assista. Melhor sitcon de todos os tempos. 

PS do amor: Obrigada a Nathi por ter me ajudado com os episódios, já que ela é tãaao mais viciada em Friends do que eu que lembrava bem as temporadas de cada episódio com o que eu descrevi. ♥

Resenha: Inverso

14/03/2016



Tem mais resenha de Karen Alvares aqui e se reclamar eu vou fazer mais. Haha! Desta vez trago a resenha do incrível Inverso. Um livro que, num primeiro momento, pode enganar os leitores mais desavisados e que não conhece o estilo da autora. Eu mesma, mesmo tendo lido apenas seus contos, acabei me deixando levar por essa capa e iniciei a leitura acreditando se tratar apenas de um jovem-adulto como outro qualquer. Bom... Eu não poderia estar mais enganada em relação a isso. Inverso é uma obra com a característica Karen Alvares, porém desta vez completa (e eu fico feliz com isso, pois como disse tinha lido apenas seus contos e estava muito curiosa para saber como seria ler um romance). 

Primeiro que espelhos são objetos realmente tensos. Quem vê filmes de terror e/ou suspense provavelmente já viu algum que tratava do assunto e pode entender o que eu quero dizer. Com Inverso não foi diferente, mesmo que não houvesse um monstro a ser visto ali (bom, quanto a isso tudo depende do seu ponto de vista em relação a obra). Imagina você se olhar no espelho e ver uma versão completamente diferente de você mesma e não apenas isso, mas uma que parece melhor. Que a vida, provavelmente, seja mais feliz e completa. Não vamos mentir e dizer que nunca desejamos algo do tipo, certo? Mas bom, será que a grama do seu reflexo é mais verde do que a sua? Mesmo sem querer Megan acabou indo testar essa teoria e o resultado não poderia ser pior. Aprisionada em uma versão diferente de si mesma Megan passa ao leitor todas as sensações de impotência em relação ao seu livro-arbítrio. Todas as vezes que sua outra versão não vou citar nomes mostrava seu poder em cima da menina eu sentia uma aflição enorme, como se fosse eu mesma naquela situação horrível. A forma como Karen exemplificou ao leitor essa situação não poderia ser pior: Algo como estar se afogando. Enquanto você nada para a superfície afim de tomar o controle a outra a empurra mais e mais e é como se então você perde suas forças e vai afundando. Eu não faço o tipo que tem medo de água, de se afogar e etc mas já tive minhas experiencias ruins com água em piscinas e só de lembrar a sensação de se afogar da uma baita de uma angustia. Sério, ao mesmo tempo que é ruim é muito bom ler um livro que te trás sensações (e são poucos livros que conseguem isso comigo). 
Como lutar contra alguém que não se pode tocar? 

Um ponto especifico me incomodou no livro e geralmente é o que me incomoda na maioria dos livros que leio: a idade da personagem. Não acho um incomodo que ela seja uma adolescente e tenha esse tipo de experiencia mas ela tem apenas 14 anos e parece ser jovem demais ainda mais quando somos inseridos no inverso, onde a outra versão tem algumas atitudes de uma garota de 16 ou 17 anos (assim como suas amigas). Mas durante a leitura isso acaba ficando em segundo plano. 

Os personagens secundários são abordados de uma forma simples e rápida, mas mesmo assim é muito fácil se apegar e eles. Daniel (o melhor amigo de Megan) é o que mais ganha destaque com seu jeito nerd e diferentão, que acaba sendo motivo de piada para seus colegas de escola; E é justamente por isso que é fácil gostar dele. Karen adora usar referencias de cultura pop na obra, deixando ela com esse tom mais atual e próximo de nós. A leitura do livro é bem rápida, não apenas por ter poucas páginas mas porque a cada capitulo a curiosidade aumenta mais com o que irá acontecer e infelizmente quando dei por mim a história já tinha chego ao seu fim e eu tipo "nãaaao! quero mais"

Indico muito Inverso para quem gosta de um bom suspense (mas nada muito pesado). É um livro recomendado até para os mais medrosos. Sim, pode ler sem medo; Só basta se preparar para algumas sensações de impotência (mas isso é normal para nós leitores).
Nem sempre as coisas são como parecem. Às vezes o mundo é um imenso teatro.

Obrigada a Karen. Amei o livro e agora pude entender, finalmente, o porque de ele agradar tanto seus leitores. 

Tag: Frases de Mãe

11/03/2016


Olá! A tag do mês de chama "Frases de Mãe". Não sei quem criou, quem adaptou ou sei lá mais o que, mas quem me indicou foi o Vinicius do blog Decidindo-Se. Bom, vamos lá!

Eu vou contar até 3...
Um livro que você não via a hora de acabar
Não é um livro ruim/péssimo, mas a narrativa dele é bem chatinha. Comigo não funcionou muito bem.

Se você falar isso de novo te arrebento os dentes!
Um livro que você não suporta que falem mal
VOCÊS SABEM que eu sou a louca do Estilhaça-Me, então é bem óbvia essa minha resposta. Eu odeio quando falam mal desse livro. Eu sei os defeitos dele e tudo mais só que não da, eu até ignoro quando alguém vem falar mal dele para mim. 

Se você correr vai ser pior!
Um livro que você corre dele, mas sabe que um dia vai ter que ler
Não consigo pensar em nenhum livro na minha estante que se encaixe nessa categoria. Ufa!

Vem comer se não esfria!
Um livro que você leu logo que lançou
Na verdade eu fiquei tão ansiosa com o lançamento do livro e do filme que eu acabei lendo antes mesmo de lançar. E eu adoro esse livro. Cof. 

Você não é todo mundo!
Um livro que todo mundo odeia, menos você
Neste tópico eu poderia facilmente copiar Se eu Ficar, mas aí lembrei de Bruxos e Bruxas que todo mundo fala mal e odeia e eu gostei bastante quando li. Recentemente recebi os outros livros da série da Carol do blog De Cabeça para Baixo e eu vou colocar na meta em breve. *-*

Quantas vezes eu já disse para você não fazer isso?
Um personagem que mais te irritou e fez burrada
Na verdade esse livro inteiro me irritou, gente! Deus me livre.

Não! Quando digo não é não!
Um livro que você não lerá, não importa o quanto as pessoas falem bem
Desculpa, fãs. Mas eu não tenho curiosidade nenhuma de ler essa saga. :(

Não mente para mim!
Um personagem mentiroso ou um personagem que te enganou direitinho
Esse não deveria contar muito, pois eu vi a adaptação anos antes de ler o livro. Só que mesmo no filme eu fui enganada e presumo que se tivesse invertido a ordem seria enganada também pelo livro. 

Coração de mãe não se engana!
Um livro que te conquistou pela capa e a leitura foi melhor ainda
Sou apaixonada pela capa dessa trilogia e me apaixonei por ela quando li. <3

Come só mais um pouquinho!
Um livro que fez você dizer: Vou ler só mais um pouquinho
"Vou ler só mais um pouquinho... E acabou" pois foi bem assim. T.T

Tá chorando sem motivo por quê? Pera aí que eu vou te dar um motivo para chorar!
Um personagem chorão, que te fez raiva
Não consigo me lembrar de nenhum personagem com essas características. Tem uns dramáticos e tal, mas chorão não. kk 

Quantas vezes vou ter que repetir?
Um livro que você teve ou terá que reler para entender melhor
Esse livro tem muitos significados que eu não peguei na primeira leitura. Quando tiver uma oportunidade e vontade vou reler. 

Não fez mais que sua obrigação!
Um livro que você leu por "obrigação"
Um livro que tive que ler para um trabalho da faculdade (na verdade eram só alguns capítulos) e acabei lendo inteiro. 

Coração de mãe sempre cabe mais um!
Os três próximos livros que você está louco pra comprar
Quero demais essa trilogia (que eu ainda não li) e a da Mara Dyer. Na verdade ganhei de amigo secreto da Nathalia ♥ mas como ainda não tenho os outros vou adiar um pouco mais a leitura para não ficar no desespero.

Isso, quebra mesmo. Não foi você quem pagou!
Um livro que você emprestou e voltou irreconhecível

Uma vez eu emprestei para a minha prima o livro Esc@ndalo e ele voltou horrivel pra mim, só que eu não fiquei tãaao brava pois eu odiei esse livro com todas as forças existentes dentro do meu ser.

Indicados


Conheça a série: F is for Family

09/03/2016

Eis que eu precisava de algo curto para assistir enquanto arrumava minhas malas para a viagem de Natal e encontro a propaganda gigante na Neflix de F is for Family. Olhando assim você só pensa: É mais uma animação que mostra o cotidiano de uma família americana e blá blá blá, e bom... não deixa de ser verdade, mas o que difere é a qualidade (pelo menos para mim). Eu nunca fui muito de acompanhar esse tipo de série/animação, assistindo a episódios aleatórios de vez em nunca e pelo que percebo é que não existe uma linha do tempo a ser seguida. Já em F is for Family é importante assistir os episódios na ordem pois a temporada nos conta uma história e ela só fara sentido dessa forma. Eu adoro humor negro, sarcasmo, ironia e principalmente aquela ideia de que os Estados Unidos não é aquela perfeição como todo mundo gosta de acreditar e F is for Family trás tudo isso. O sonho americano dos próprios americanos na década de 70, o preconceito que vemos até hoje mas que sabemos que há alguns anos era muito pior, um filho que rejeita o pai, a esposa que dedica a sua vida a sua família mas tudo que quer é poder ter seu próprio emprego, o marido machista, entre outras coisas. Isso pode até dar uma raiva quando você deixa de ver pelo lado cômico da coisa toda, mas também serve como um grande exemplo de onde as coisas que vemos hoje em dia vieram (as ruins e as boas).

Frank é um pai de família que sofre pressão no trabalho e acaba descontando toda essa pressão em sua própria casa, onde ele acha que por ser o homem da casa tem o direito de mandar e desmandar. Seu filho mais velho por sua vez não lhe da o devido valor e bom, será que nós filhos podemos nos identificar com ele? Sinceramente eu me identifiquei muito com Kevin e percebi o quanto eu fui (e ainda sou um pouco) babacona com minha mãe. Os outros irmãos eu achei meio bléh, que como pode ver eu até esqueci o nome deles. São os mais novos e portanto seus dilemas tem algo diferente que acabei deixando para lá sem dar muita importância. Quem realmente se destaca bastante é Sue, esposa e mãe de família. Hoje em dia as coisas são diferentes, mas imagina nos anos setenta como era para uma mulher ter que viver aquela vidinha pacata só cuidado da casa e dos filhos? É bem triste ver a mulher se acabando em choro e conversando com o próprio cachorro por não ter nada para fazer em um dia que a casa fica vazia e me deu um ódio mortal quando a chance de um emprego aparece e seu marido resolve se intrometer na situação, pensando somente em seu próprio bem; Mas ela deu uma boa lição ao homem.

Fonte: Google Imagens
São apenas seis episódios de aproximadamente vinte minutos, portanto da para assistir em uma única sentada. As piadas tem uma grande quantidade de humor negro, então acho que não é recomendável para quem não gosta desse tipo de comédia; mas se você adora um dilema de família americana assista, afinal é original Netflix. 

Resenha: A Saga de um Andarilho pelas Estrelas

07/03/2016




Recebi este livro do autor de uma forma bem inusitada: Estava visitando um blog que fez a resenha dele e então, talvez por ter gostado do meu comentário (?), Jean entrou em contato comigo disponibilizando assim a obra para leitura. Aproveito para pedir desculpas pela demora, mas cá estou com minha analise. O ponto positivo de ter demorado tanto para ler é que acabei esquecendo como era a resenha e acabei entrando na leitura sem nenhum receio ou algo do gênero. 

O livro nos conta a história de um homem que simplesmente deseja viajar pelo universo. E quem não quer? Bom, ele constrói Valentina, sua nave e companheira na jornada, e sai pelo universo explorando diversos planetas. Visando essa premissa básica você pode esperar um livro de aventura, correto? Bom, era o que eu esperava, mas não é exatamente este caminho que o livro segue. Sim, tem uma dose de aventura mas ela acaba sendo ofuscada por grandes reflexões não apenas do Andarilho das Estrelas mas também de outros seres que ele encontra pelo caminho. O livro toma o rumo muito mais filosófico que eu não estava preparada naquele momento. 

Mas não vai achando que este é um livro ruim, pois ele esta longe de ser ruim. Por mais que ele tenha alguns momentos maçantes e até confusos entre lembranças ou imaginação do Andarilho das Estrelas (eu nunca consegui as definir realmente), ele também contém sua dose de tapa na cara da humanidade. Seres de outros planetas recebendo o turista de forma amistosa e educada, lhe mostrando detalhes de seu planeta e contando histórias sempre fazendo o próprio leitor questionar "o que é está acontecendo com os seres humanos?" ou "porque somos assim?". Eles mostram a importância de o próprio ser humano valorizar a Terra, a vida e as coisas mais simples que temos por aqui (como por exemplo a música). Coisas que passam despercebidas por nós e coisas que vem sendo destruídas aos poucos. Alguns, inclusive, colocam em pauta quanto nós somos seres mentirosos e não-confiáveis. É bem triste pensar que se realmente existe vida além da Terra (e não é essa a discussão aqui e muito menos no livro) provavelmente os extraterrestres nos vêem da mesma forma que os do livro.

Algumas coisas que eu fiquei pensando durante a leitura e nem sei, realmente, se é valido citar por aqui mas resolvi fazer mesmo assim kkkkk é a possibilidade da viagem do Andarilho nunca ter, de fato, acontecido. Que aquilo foi algo criado por ele mesmo para fugir de sua própria realidade, que sinceramente não parecia ser tão interessante assim. Por alguns momentos ele me passou a impressão de ser alguém bem depressivo que precisava fugir do que quer que estivesse acontecendo e talvez até mesmo para se curar. NÃO SEI. Talvez sim a viagem tenha acontecido de verdade e assim ele conseguiu fugir de sua vida triste e depressiva e encontrou um novo valor para ela. Como eu disse são coisas que eu fiquei pensando e que não fazem muito sentido (ou sim, sei lá rs).

A narrativa é bem fácil e os capítulos são curtos, então em poucas horas o livro pode ser finalizado de acordo com a sua disposição. Vale a pena sim a leitura, mas não vai com sede ao pote achando que ele é uma grande aventura pois assim você poderá se decepcionar.

Resenha: Essa Garota

04/03/2016


Terceiro e último volume da trilogia Métrica e temos um livro totalmente narrado por Will, onde ele conta não apenas para Lake mas para nós como foi quando eles se conheceram e tudo o que ele sofreu naquele período. Bom, eu li Métrica em meados de 2014 junto com Pausa e após mais de um ano eu esqueci praticamente tudo o que tinha acontecido em detalhes (as resenhas são de 2014, postadas no Cantar em Verso), então esse livro foi mais para me relembrar como foi conhecer Will e Lake e curtir sua história. Sei que no inicio eu não tinha me apegado muito ao casal mas após saber sobre os sentimentos deles foi mais gostoso acompanhar a história pelo ponto de vista dele, mesmo com algumas ressalvas.
Já tenho o seu futuro, agora quero conhecer o seu passado.

Apesar de ter gostado da leitura de Essa Garota eu fico um pouco incomodada com a necessidade dos autores em repetir a história com um ponto de vista diferente. E olha, vocês sabem por aqui que eu adoro a Colleen Hoover, mas mesmo sendo ela eu acho "imperdoável" (uHAUIOHAIAHI). É legal saber o ponto de vista? Sim, é. Mas não é necessário. Praticamente nada muda na história, então... :\ Mas enfim! Saber o que se passava na cabeça de Will e o quanto ele sofreu nos meses em que Lake e ele tiveram que ficar separados foi bem tenso. Algumas vezes lendo Métrica eu sentia raiva dele pois parecia que ele estava brincando com a menina, mas aqui vemos que ele apenas estava fora de controle, por mais que tentasse fazer a coisa certa era muito dificil. Ter que equilibrar a sua vida, escolher entre o amor de uma mulher ou o futuro de sua família (seu irmão); e mais o peso de saber algo que poderia acabar com Lake caso ele contasse antes do momento.

Mas acho que faltou um diferencial nesse livro, que seria ele comentar também um pouco mais sobre a sua vida antes de Lake, sabe? Mesmo não lembrando dos detalhes do inicio do relacionamento entre eles ainda fica algo repetitivo, ainda mais se o leitor resolver ler os três livros em sequencia. Mas enfim, eu acho que não tenho muito o que falar sobre esse livro já que ele não trouxe nenhuma grande novidade em relação a Métrica. Vale a pena a leitura? Até que vale, mas não é um volume necessário.

Amor e ódio, apesar de opostos, são dois sentimentos induzidos pela paixão. 

Lidos & Assistidos: Fevereiro 2016

02/03/2016


Olá, queridas e queridos. ♥
Fevereiro é o mês curto mais longo do ano. Parece que durou mais que 2015. :( Não sei se vocês tiveram a mesma impressão que eu haha. Apesar disso tudo acho que não foi um mês tão rentável para mim quanto foi Janeiro que eu li e assisti muuuita coisa. Acho que todo o ânimo que tive no primeiro mês perdi neste, mas espero que Março eu volte com tudo pois tô com algumas parcerias e projetos para colocar em dia. :}

Lidos

Livros

HQ

Assistidos



----------------------------------------------------------------
Bom, li poucos livros mas em compensação fiquei lendo TWD que eu tanto amo. Como a série já passou a parte em que eu tinha lido anos atrás resolvi voltar a ler para não ter grandes surpresas nesta temporada (e nas próximas). Eu li umas quatro edições mais do que coloquei aqui, mas como não marquei no Skoob ainda fiquei com preguiça de fazer as marcações, arrumar a estante e tudo mais. Quanto aos livros: Vocês repararam que tem muito nacional? Mês passado eu também li vários nacionais e olha eu nem estou participando de projetos para ler nacionais mas eles estão dominando. Acho que já está se tornando um hábito meu e acabo nem reparando na hora da leitura. Mas enfim, a maioria dos livros citados vai sair resenha por aqui neste mês de Março, então fiquem ligadinhos. ♥

Finalmente terminei de assistir Continuum ♥ e gente, sério! que série maravilhosa. Quem ama viagem no tempo e ficção cientifica deveria dar uma chance pois ela é muito legal e gostosa de assistir. Não tem toda aquelas explicações mirabolantes, então eu que sou bem leiga para o assunto acabei me dando muito bem. Na terceira tem um episódio que explodiu a minha cabeça e é com certeza o melhor da série. O final é ótimo, muito de acordo com o que a série mostrou e propôs durante as quatro temporadas. Vi a segunda temporada de The Librarians e série linda hahaha eu acho super divertida e as referencias com a literatura são gritantes (o próprio nome já diz, né). 

Assisti A 5ª Onda no cinema com minha mamãe e nós duas adoramos o filme. Não li o livro ainda e provavelmente vou demorar muito tempo ainda para ler mas adorei o filme apesar de alguns poréns. Não sei se vou falar sobre o filme por aqui, ainda não decidi. Ego foi o filme que a Viviane fez um post por aqui e acabei ficando super curiosa para assistir e não me arrependi. E por fim Expresso do Amanhã é um filme distópico pós-apocalíptico muito foda. Apenas. Também não decidi se vou falar dele por aqui, mas pretendo em algum momento. Vale muito a pena assistir este filme. 

Enfim, gente... Fevereiro foi assim. Beijão.